Obrigado Mário

por Alexandre Borges | 2017.01.10 - 10:00

“Quando a erva crescer em cima da minha sepultura,

Seja este o sinal para me esquecerem de todo.

A Natureza nunca se recorda, e por isso é bela.

E se tiverem a necessidade doentia de “interpretar” a erva verde

sobre a minha sepultura,

Digam que eu continuo a verdecer e a ser natural”

Alberto Caeiro.

 

Cresci a ver alguns combates de Mário Soares, numa altura em que nas campanhas eleitorais e nos comícios as vedetas eram os oradores e não grupos de música e efeitos especiais mais ou menos higiénicos. Uma altura em que os cidadãos, não caídos na artimanha que (intencionalmente?) os adormece, ainda acreditavam verdadeiramente que podiam mudar o seu país e se interessavam participando activamente na vida política, independentemente da sua formação e “capacidade”. Uma altura em que os actores eram, a par de Soares, Cunhal, Sá Carneiro e Freitas do Amaral, homens de craveira intelectual e cultural que, à distância de uns bons anos, impressionam qualquer cidadão que não tenha o rei na barriga.

Mário Soares era agnóstico e, logicamente, não acreditaria em anjos ou demónios. Não há gente santa ou divina e quem o exige aos outros, Soares incluído, é anjinho (ou então parvo). Ele próprio terá muitos defeitos que se lhe apontem mas Portugal deve-lhe o reconhecimento e a honra que se deve prestar aos poucos que são capazes de demonstrar coragem, de forma consciente, para lutar contra os poderes opressores instalados.

Dado a raridade desses Homens é importante louvar, na hora da despedida, um dos que souberam liderar vontades para almejar a liberdade. Um homem que não se contentou em trocar um totalitarismo pela ameaça de outro. Algo que aconteceu em tantas e tantas outras paragens.

Contribuiu, naturalmente em conjunto com tantos outros, para algo que agora, tantos nem valorizam, dado o seu carácter permanente e – ilusoriamente – eterno. Não há gente santa. Não há gente divina. E quem o exige aos outros é anjo (ou parvo).

Quantos como Mário Soares, um “burguês” de uma família sem dificuldades económicas, escolheram sair da sua “zona de conforto” e lutar contra uma ditadura que aplicava aos portugueses, entre outras coisas, uma das maiores privações que se pode aplicar a um povo? Mário escolheu lutar contra as injustiças duma ditadura que inibia os portugueses de se expressar, onde mais de 40% das pessoas não sabia ler nem escrever, que explorava povos aquém e além-mar. Ele que nem era, de todo, dos mais afectados. Lutou e arregimentou vontades para lutar contra um regime que deixava o seu povo em diversas  misérias e com fome (como é mesmo aquela da sardinha que dava para quatro?).

Com a humanidade que lhe era característica e com injustiças naturalmente cometidas, lidou com um lastro de 40 anos de ditadura, 13 de guerra civil/colonial/libertação, de um regime que se limitou ao autismo do “orgulhosamente sós”, que isolou Portugal e que, enganou e abandonou milhares de colonos (que vá-se lá saber porquê tiveram de fugir dos países onde estavam). Um “estado novo” que artificializou uma guerra invencível, que mais não era do que empurrar com a barriga problemas para um futuro obviamente conhecido e inadiável. Ajudou a resolver problemas num contexto de guerra-fria e com um regime democrático construído à pressão, num país onde as raízes e tradições de participação democrática há muito tinham sido metidas na gaveta, algo que que ainda hoje tenuemente podemos observamos.

Mário ajudou a legar-nos um país imperfeito mas incomensuravelmente melhor daquele onde nasceu e isso, também a ele se deve. Um país onde outras coisas podemos, sem medo de represálias, insulta-lo de forma abjecta e, muitas vezes, de forma não fundamentada. Um país onde esse direito é tão natural para tanta gente que nem nos damos conta que o mesmo tenha sido conquistado e julgamo-lo brotando das insondáveis obras do acaso.

Devemos-lhe tanto por, aparentemente, tão pouco.

Sem idolatrias e com naturalidade, Obrigado Mário.

 

Natural de Canas de Senhorim. Licenciado em geologia pela UC. Virulentamente bombeiro. Gosta de discussões cordiais, de vaguear pelo mundo munido de auscultadores.

Pub