MODELO DE ATENÇÃO INTEGRAL CENTRADO NA PESSOA

por José Carreira | 2016.06.07 - 15:24

 

 

A esperança média de vida tem aumentado continuadamente, nas últimas décadas. O grande desafio consiste em fazer equivaler à esperança de vida a melhoria da qualidade de vida das pessoas mais idosas, tanto daquelas que estão institucionalizadas como das que vivem nos seus domicílios e necessitam de apoio para a manutenção da sua vida independente.

Creio que há a necessidade urgente de adotarmos um novo enfoque que privilegie cuidados diferenciados e mais personalizados. Urge a mudança de paradigma no que concerne ao modelo de cuidados.

Sou apologista do modelo de atenção integral centrado nas pessoas idosas, nas suas necessidades e nos seus desejos. Os elementos-chave são: o “projeto de vida”; o “profissional de referência” e as “unidades de convivência”.

Cada utente de um lar / centro de dia deve ter o seu projeto de vida que lhe garanta o direito à autodeterminação, que garanta a si mesmo o controlo da sua própria vida que deve conter um pano de apoios para tornar efetivos os seus desejos.

Para que o projeto de vida seja uma realidade efectiva, cada utente contará com o apoio de um profissional de referência que estabelece com a pessoa idosa uma relação de apoio, constituindo para ele uma figura de referência na instituição no que concerne aos cuidados, canalização e resolução dos seus problemas e outras necessidades que possam ocorrer.

Estamos conscientes da necessidade e urgência da introdução de um novo paradigma que anacronize, de uma vez por todas, os modelos de cuidados com reminiscências nas “instituições totais”.

A adoção de um novo modelo só fará sentido se o conjunto de profissionais implicados nos cuidados o conhecerem e o considerarem uma mais-valia efetiva.

Tendo por objetivo dar a conhecer o modelo de Atenção Centrada na Pessoa, as Obras Sociais do Pessoal da CM e SM de Viseu, a Associação Hípica e Psicomotora de Viseu e a Escola Superior de Educação de Viseu, convidaram a especialista Lourdes Bermejo para dinamizar o Workshop “Melhorar a vida das pessoas: o Modelo de Qualidade de Vida e a Planificação Centrada na Pessoa (PCP). Reflexões a partir de experiências práticas”. (17 de Junho, na ESEV – informações: secretaria@obrassociais.pt)

Lourdes Bermejo, Pedagoga e Gerontóloga, tem uma vasta experiência na implementação de projetos, dos quais destaco dois dos mais recentes: “Criação de uma unidade de qualidade de vida para pessoas com demência nas fases iniciais” e “Tenho um Plano: Viver bem com problemas de memória”.