LIXO

por José Carreira | 2014.11.29 - 17:44

 

 

Abel Queiroz encontrou uma carteira com 845,00€ e entregou-a na esquadra da PSP. Esta atitude, de um jovem que ganha cerca de metade daquele valor por mês, mereceu os maiores elogios, foi notícia e deixou perplexos os portugueses. A honestidade pode ser difícil de encontrar, mas existe. Há gente honesta que vive com o que tem e não cobiça o alheio. Uma atitude que deveria servir de exemplo para aqueles que não olham a meios para atingir os fins. Numa sociedade em que impera o valor do dinheiro, Portugal já teve a sua dívida classificada como “lixo” e foi (é) “tutelado” pelos senhores da Troika. Uma vergonha para todos nós.

Mas o pior pode acontecer quando se varre o “lixo” para debaixo do tapete…

De Isaltino Morais a Fátima Felgueiras, passando pelos robalos, pela sucata ou pelos vistos dourados, o lixo parece não desaparecer e impregnar a sociedade portuguesa. Duarte Lima, Operação Furacão, Cova da Beira, Freeport, Submarinos, BPN, BES…

O lixo amontoado originou uma lixeira que acabou por “engolir” até um antigo primeiro ministro. O asco apoderou-se da população, tudo parece estar putrefacto, os órgãos de soberania são desconsiderados e ameaçam implodir.

Não gosto de condenações populares, nem de linchamentos mediáticos. Mas uma coisa é certa, algo mudou após a detenção preventiva do “engenheiro” Sócrates. Muitos senhores dormirão mal, desde a privação da liberdade do “animal feroz”, enquanto pensam nos riscos que correm de serem também “enjaulados”, sendo ou não “ferozes”. Que se faça justiça!

Para se distraírem, sugiro uma ida ao cinema para verem o novo filme de Stephen Daldry: “LIXO, Ladrões de Esperança”, uma visão da corrupção no mundo. A história conta como uns adolescentes que vivem na rua e trabalham na recolha de lixo – no “lixão” – descobrem algo que os envolve num escândalo político.

Trailer: “>

Nota final: agora percebo melhor as taxas ecológicas, há um forte empenhamento na reciclagem de todo o lixo que torna Portugal irrespirável e pouco recomendável.

Os ares ibéricos já tiveram melhores dias, de Espanha também sopram ventos perigosos e impregnados de corrupção.