JOSÉ SÓCRATES GOSTA DE MUESLI

por José Carreira | 2015.05.31 - 14:22

 

 

O Expresso não resistiu à deriva tablóide? Na edição desta semana, os jornalistas Bernardo Ferrão e Rui Gustavo deram provas, com a reportagem “José Sócrates: A vida na prisão”, de que estão preparados para colaborar no Correio da Manhã. É preciso ir semeando, afinal de contas o Expresso vende cada vez menos e o CM é o diário mais vendido.

Não gosto de José Sócrates e nunca votei nele. Contudo, foi primeiro-ministro e é um cidadão português com deveres e direitos. Considero inconcebível que seis meses e seis dias depois da sua detenção, à saída do avião, continue em prisão preventiva. Recordo que o motorista foi libertado passado um mês e que Carlos Santos Silva passou esta semana para prisão domiciliária.

A inexistência de uma acusação formal parece ser uma insignificância num tempo em que o que importa é a surdina, a guerra de bastidores, a intriga, a intimidade do outro, enfim…

Ora vejamos, a reportagem dá ao leitor “informações tão relevantes” como:

– Está na cadeia de Évora, cadeia dos policias, onde em princípio estará a salvo de qualquer agressão ou problema mais grave;

– A melhor maneira de quebrar um homem é negar-lhe os prazeres simples. Vem esta ideia força a propósito da proibição da entrada na cadeia de MUESLI, apreciado por Sócrates, que a sua amiga Edite Estrela lhe queria entregar numa das visitas;

– A hora do “conto” é quando todos os reclusos são contados e é verificado se não houve qualquer fuga durante a noite;

– Sócrates, benfiquista, joga futebol e fez uma entrada “brutal” cometida contra Paulo Pereira Cristóvão, antigo diretor da PJ e dirigente do Sporting;

– As celas não têm chuveiro e o banho tem de ser tomado num balneário coletivo.

Não vou continuar a elencar as pérolas jornalísticas ilustradas por Alex Gozblau.

Com sorte, o título que escolhi para este texto – José Sócrates Gosta de Muesli – pode ser a chave que abre a porta para colunista do CM ou, pelo andar da carruagem, do Expresso. Enquanto aguardo o telefonema de uma das redações, aproveito um dos prazeres simples da vida, tomo um café. Assim, mesmo que a espera seja longa, não quebro…

Que a justiça é lenta já todos sabemos, mas que seja  tão ineficaz é algo que deve envergonhar os seus agentes e preocupar a senhora ministra. Ainda temos ministra da justiça? Alguém sabe o que anda a fazer?

Resta ao senhor da cela 44 continuar a acreditar que “Só deixa de ser livre quem perde a dignidade. Sinto-me mais livre do que nunca”.

Entretanto, no mundo do futebol, rebenta mais um escândalo na FIFA. Vários dirigentes foram detidos com base em 47 acusações apresentadas num tribunal de Nova Iorque: fraude fiscal, subornos, chantagem para favorecimentos em votos para eleições e contratos com diversas empresas, branqueamento de capitais…

Luís Figo, ao desistir da candidatura à presidência da FIFA, desabafou: “O futebol merece melhor”.

O senhor  Blatter, no poder desde 1998, foi novamente eleito e lavou as mãos como Pilatos: “isto não é um clube de pesca, somos uma empresa grande e não consigo controlar tudo.”