Ilusões: Escrever, Cantar, Rejuvenescer, Voar…

por José Carreira | 2016.05.27 - 08:35

 

 

Há “escritores” que não escrevem os livros que assinam, apenas lhes dão o “rosto” mediático que garante, à partida, boas vendas. Os editores rejubilam com a faturação e os “autores” com a projeção. Escrever um livro é chique a valer! E dar um autógrafo? Ui, ui, um quase orgasmo… Sabemos que é cada vez mais comum os leitores comprarem os livros de determinados autores, cuja criatividade é de ghost-writers, ou escritores-fantasma, contratados para criarem uma obra…

A esposa de David Beckham, Victoria Beckham, estrela das Spice Girls, confessou que nunca cantou. Durante os concertos da banda, o microfone da artista ficava off…

Sendo o playback uma prática comum em muitos concertos, não saber cantar e ser uma popstar é algo distinto. A prestação “coreográfica” em palco iludiu, durante anos, milhões de fãs…

Ninguém quer envelhecer, a luta contra as rugas tem tanto de titânica quanto de inútil, pelo menos por enquanto… O biólogo e biotecnólogo,  do Instituto Koch do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts, EUA), Robert Canger está a trabalhar no desenvolvimento de uma substância que, aplicada à pele humana sob a forma de creme ou pomada, produzirá um “rejuvenescimento” artificial, dando, de forma temporária, um aspeto mais jovem e saudável à pele envelhecida.

Contrariamente ao que publicitam as marcas de cosméticos, não será a pele a ficar menos flácida e com menos rugas, mas apenas a parecê-lo durante algumas horas. A ilusão da juventude eterna aos olhos do outro…

Uma equipa de futebol de Lisboa, o Sporting, segundo muitos analistas / comentadores desportivos, tem o melhor treinador, a melhor equipa, jogou o melhor futebol. Não ganhou o campeonato, teve uma prestação miserável nas competições europeias, não fez grande coisa nas taças (Portugal e Liga)…Quem pretendem iludir? Ok, o clube leonino conquistou, no início da época , a Supertaça… “Poucochinho” para tamanha retórica…

Há vacas que voam? Há!

O Primeiro Ministro António Costa ofereceu uma vaca voadora à ministra da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques. A ministra do Simplex, competente e respeitável, não merecia que fosse desviada a atenção do seu trabalho para uma vaca que, depois de apertado um botão, começou a bater as asas. O objetivo foi passar a mensagem de que tudo é possível, até uma vaca voar. Veremos se de tanto voarem, esta e outros exemplares, não voltam a ficar….loucas… Refiro-me a outros exemplares, pois serão necessários vários para assinalar a desejável recuperação de postos de trabalho; a aceleração do ritmo de crescimento económico; o incremento do investimento; a melhoria do Indicador de Confiança dos Consumidores e da atividade Económica; o robustecimento das exportações; a reversão do empobrecimento…

Poderão, de sucesso em sucesso, estar criadas as condições para o pioneirismo lusitano na criação de manadas voadoras. Haverá mesmo a possibilidade de internacionalização do produto que contribuirá para o equilíbrio da balança comercial.

Foi desajustado criar a ilusão, da vaca que voa, num momento em que se apresentou um trabalho profícuo e de qualidade que poderá ser facilitador da vida dos portugueses – o SIMPLEX.

“Simples como andar de bicicleta” é a mensagem que deixo: não nos iludam mais!

Estamos cansados de tanta artificialidade.

Ainda se fosse um bom exemplar das raças autóctones- Arouquesa e Mirandesa – ainda vá que não vá, daria força à ilusão da promoção do produto nacional…