HOSPITAL DE LAMEGO: PREOCUPAÇÃO PARA TODOS…

por Manuel Ferreira | 2015.03.22 - 21:30

 

Na última semana, tivemos ocasião de assistir a mais uma notícia na comunicação social nacional que versava o tema do Hospital de Proximidade de Lamego. Não há dúvida de que este problema é muito caro a todos os lamecenses. Trata-se de um investimento emblemático para todo o Concelho e mesmo Região. É verdade que problemas delicados, da natureza dos que se colocam ao Hospital de Lamego, devem ser tratados e resolvidos com pinças e com prudência. Contudo, temos assistido, pelo menos publicamente a um comportamento demasiado conformado e reservado, por parte do Presidente da Câmara.

A verdade é que a situação do Hospital se tem arrastado há demasiado tempo e é urgente serenar a opinião pública e os utentes relativamente ao seu futuro. Mesmo admitindo que quem fez o Hospital tinha um determinado conceito, o de um Hospital de proximidade, a verdade é que, mesmo para a concretização deste conceito, o Hospital muitas vezes não tem tido os mínimos.

E será que devemos ficar resignados a um conceito? Não será legítimo sensibilizar o Ministério da Saúde e a Direcção do Centro Hospitalar para resolver as deficiências que são apontadas pelos profissionais de saúde ao funcionamento do Hospital? Qual a utilidade de um Hospital sem os meios necessários mínimos para fazer face aos que o procuram?

A reportagem da SIC, que apresentou os depoimentos de preocupação do Presidente da Assembleia Municipal e do Bastonário da Ordem dos Médicos, sobre os problemas existentes no Hospital de Lamego, não é despiciente. Estamos a falar de dois técnicos, que têm conhecimento de causa e que tenho para mim não estarem a falar de cor, serem ignorantes ou inconscientes relativamente aos problemas que apontam.

A verdade é que têm sido muitos os serviços que encerraram ou não funcionam por falta de meios humanos e técnicos. Não há TAC, não há Banco de Sangue, as 30 camas existentes são insuficientes, o serviço de laboratório de análises esteve para encerrar, a urgência continua um caos. A continuar este ritmo de estrangulamento dos serviços, nada de positivo nos augura o futuro.

Manuel Ferreira tem 49 anos e nasceu em Lamego. Casado, dois filhos. É licenciado em Filosofia pela Universidade de Letras do Porto. Possui a Especialização em Administração e Gestão Escolar e é Mestre em Filosofia em Portugal e Cultura Portuguesa. Militante socialista desde 1996, foi membro da Assembleia Municipal de Lamego entre 1997 e 2001 e Secretário do Gabinete de apoio do pessoal do Vice-Presidente da Câmara Municipal de Lamego entre 2001 e 2005 e membro da Comissão Política durante vários anos. Atualmente é Presidente da concelhia de Lamego do PS e membro da Comissão Política da Federação de Viseu.

Pub