Arriscar LIDERAR: definir objetivos, planear, avaliar e executar.

por Norberto Pires | 2014.03.04 - 21:03

A indústria do calçado passou por uma fase muito complicada na década de 1990 e início do novo do novo milénio, mas soube reestruturar-se, planear a sua atividade, definir planos estratégicos a médio e longo prazo, procurar novos mercados, andar pelo mundo e procurar oportunidades. Fez tudo bem, resolveu os seus problemas estruturais e começa a ter resultados. Esta indústria vale hoje (2012) mais de 1,795 mil milhões de euros (valor bruto da produção), o que corresponde a 74 mil pares de sapatos, envolve mais de 1700 empresas, divididas entre fabricantes de calçado, de componentes e de curtumes, emprega mais de 40 mil pessoas (já foram quase 60 000 na década de 90, mas tem vindo a recuperar desde 2011), regista uma produtividade crescente, em pares de sapatos produzidos por trabalhador e em valor bruto produzido por trabalhador (VBP, o qual atingiu um máximo histórico em 2012), e exporta mais de 95% da sua produção, o que corresponde a mais de 70 mil pares de sapatos e cerca de 1,731 mil milhões de euros, para mercados competitivos como o Italiano, Francês, do Norte da Europa, etc.

Uma evolução notável a todos os níveis.

No emprego (fonte APICCAPS, Associação Portuguesa de Produtores de Calçado, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos):

fig1

Na Produtividade (fonte APICCAPS):

fig2

Na contribuição que dá para as contas externas nacionais. Em 2012 esta sector foi, mais uma vez, a indústria com saldo comercial mais elevado na economia portuguesa, apresentando uma taxa de cobertura das importações pelas exportações de 291% (Fonte APICCAPS):

fig3

Mas se analisarmos o índice de vantagem comparativa revelada, isto é, se comparamos o peso do calçado nas exportações do país com o seu peso nas exportações mundiais, Portugal destaca-se relativamente a todo o mundo, não tendo ninguém que se aproxime na Europa. Muito significativo (fonte APICCAPS):

fig4

Sendo uma indústria centrada essencialmente no norte do país (Felgueiras, Guimarães, Feira, Oliveira de Azeméis, etc.), foi capaz de se modernizar e reestruturar a sua força de trabalho, apostando na formação, na qualidade e qualificação dos colaboradores.

fig5

fig6

São números impressionantes e que mostram bem o caminho que deve ser seguido em Portugal. Um país que detesta planear, olhar para o futuro e definir objetivos estratégicos e planos a médio e longo prazo, fazendo as reformas necessárias para os fazer funcionar. A indústria do calçado reestruturou-se, olhou para a concorrência, e para o mercados que podia conquistar. Melhorou a sua eficácia e a sua capacidade de inovar. Recusou competir pelos preços e pelos baixos salários. Quis inovar, diversificar e arriscou liderar. Anda pelo mundo à procura de alternativas e de oportunidades: é isso que significa sair da zona de conforto, mas muitos confundem com emigração pura e simples. Pensa global e está consciente dos perigos, sabe as regras do jogo e não tem medo, porque se prepara, estuda e sabe do negócio.

Na verdade, neste momento são estes os nossos desafios.

Considero imprescindível, como já referi várias vezes, que o país aposte em si próprio, nas capacidades que foi capaz de desenvolver e recuse, sem margem para dúvidas, uma política de baixos salários, desinvestimento na educação, ciência e investigação e desenvolvimento.

Deve ser exatamente ao contrário, deve reestruturar-se por completo, mudando radicalmente a forma como elege, com decide, como avalia, como forma e ensina, como apoia, como julga e como trabalha. Deve colocar o foco nas suas mais-valias, capacidade de sacrifício, capacidade inovadora, qualidade de território e na diferenciação inteligente.

Desperdiçou, em grande parte, os fundos comunitários que teve à sua disposição. Mas, apesar de tudo, realizou ações, construiu infrasestruturas, melhorou na educação e ciência, etc. que podem agora ser colocadas ao serviço de uma estratégia de futuro para o país.

Os novos fundos são essenciais, e o seu planeamento e execução são críticos para o nosso futuro coletivo. O Ministro Miguel Poiares Maduro tem por isso uma missão crucial. A mais importante dos próximos anos. Pelo que tenho lido e ouvido o ministro está consciente da tarefa que tem em mãos, e percebe a importância de não desperdiçar esta ultima oportunidade.

J. Norberto Pires

 

Referências:

1) Monografia Estatística da APICCAPS

2) Fundos Comunitários (Rua Direita)

3) Especialização Ingteligente: Um desafio para Portugal (Rua Direita)

Professor Associado da Universidade de Coimbra foi Presidente do Conselho de Administração do Coimbra Inovação Parque e Membro do Conselho Nacional para a Ciência e Tecnologia. Possui Mestrado em Física Tecnológica e Doutoramento em Robótica e Automação pela Universidade de Coimbra. É o Editor do jornal "Robótica". Autor de cinco livros na área da robótica e automação tendo publicado mais de 150 artigos científicos e tecnológicos.

Pub