Vote Leave – nacionalists up up!

Como é que uma população de 64 milhões e meio de habitantes se deixou tão cegamente conduzir à imolação, com base em mentiras, gloriosas promessas, vãs exaltações e doentios cinismos?

  • 0:06 | Quarta-feira, 12 de Fevereiro de 2020
  • Ler em 3 minutos

A “Barata”, de Ian McEwan, explica muito sobre o Brexit. A rábula kafkiana de uma barata que se transforma em Jim Sams (ou Boris Johnson por mera e pura coincidência) dá-nos uma mordaz e cáustica visão de quanto no Reino Unido (?) se passou para conduzir à saída da UE.

De David Cameron, a Theresa May e Boris Johnson, uma década de primeiros ministros conservadores, democraticamente eleitos pelos ingleses, adjuvados pelos últimos 20 anos de trabalhistas promíscuos e controversos como Tony Blair, Gordon Brown, Ed Miliband e Jeremy Corbyn, polémicos uns, frouxos outros, conduziram, conjuntamente com uma política desnorteadamente titubeante da Europa e agressiva dos EUA de Trump, tutor de Boris, e de Putin, só aparentemente rival de Johnson, à emergência de todos os nacionalismos populistas, bem acolitados por uma poderosa campanha de comunicação social, envolvida até ao tutano em manipulações perversas e quase doentias.

Como é que uma população de 64 milhões e meio de habitantes se deixou tão cegamente conduzir à imolação, com base em mentiras, gloriosas promessas, vãs exaltações e doentios cinismos? Orquestradas manifestações desordeiras, catadupa de síntonos desacatos, o discurso da perturbação dos serviços essenciais, o impedimento “das pessoas decentes” tratarem das suas vidas, a ameaça terrorista (será que também foi orquestrada?), os emigrantes que chegaram para roubar o pão, o trabalho e a paz aos ingleses, o desemprego, as falências, os prá-frentistas e os regressistas, o vira-casaquismo e a perfídia política, resultaram num opíparo banquete para os esfaimados nacionalistas-faragistas, sem outro plano senão o plano de quem deles fez marionetas ao serviço de um inconfessável e dantesco projecto.


“– Pois. Qual é o plano?

— O senhor já o delineou. Se dermos qualquer coisa aos da linha dura, vão pedir mais. Se lhes dermos o que querem, cagam-nos em cima. Se o Projecto correr mal, vão culpar todos e mais algum. Vão culpá-lo sobretudo a si.

— E então?

— Está a haver uma mudança na opinião pública. Os grupos de reflexão estão a contar uma história diferente. O nosso responsável pelas sondagens telefonou ontem à noite a dar os resultados. As pessoas estão fartas. Têm cada vez mais medo do desconhecido. O voto delas está a causar-lhes ansiedade… ansiedade em relação ao que desencadearam.
— Já soube desses resultados – mentiu o primeiro-ministro. Era importante não perder a face.

— A questão é a seguinte: devíamos isolar os da linha dura. Uma moção de confiança, o caralho! Interrompemos os trabalhos parlamentares por uns meses. Deixamos os sacanas espantados. Ou, ainda melhor, mudamos de táctica. Uma reviravolta…

— A sério?

— Sim, estou a falar a sério. Tem de fazer uma reviravolta…

— Para o outro lado?

— Sim! O Parlamento vai ajoelhar-se aos seus pés. Vai ter uma maioria… à justa.– Mas a vontade do p…

— Eles que se fodam. São uns merdosos que acreditam em tudo. Isto é uma democracia parlamentar, e é o primeiro ministro que manda. Está tudo emperrado.”

Bom, descontos feitos à ficção de “a Barata”, provavelmente a realidade ultrapassou-a.

Como escreve McEwan no Expresso desta semana: “Johnson cumpriu a ambição mais inútil e masoquista jamais concebida na história destas ilhas.”

A barata que um dia entrara por uma fresta da porta do nº10 de Downing Street, cumprida a missão de que fora encarregada, deixando de ser primeiro ministro, volveu ao seu estado inicial de barata de esgoto, talvez a “periplaneta americana”, que habita em locais com muita gordura e matéria orgânica em abundância, como galerias de esgoto, bueiros e caixas de gordura, e dirigiu-se a Westminster, para o “banquete de heróis” onde, tanta história haveria para contar.

E como diz Boris, o Johnson: “chegou a altura de a GB tirar os óculos de Clark Kent, sair da cabina telefónica e vestir a capa do Super-Homem”, enquanto os farages do reino dividido, à socapa, com os trocos ainda da UE, brindam alarvemente com Moët & Chandon Dom Perignon Charles & Diana 1961, a 2.576 £ a garrafa, vindo de Épernay, no Marne francês.

Ps: O Sinn Féin, ex-braço político do IRA acaba de alcançar um resultado inesperado nas eleições irlandesas. Escócia e Gales … o que vem a seguir?

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por
Publicado em Editorial

Office Lizenz Kaufen Windows 10 pro lizenz kaufen Office 2019 Lizenz Office 365 lizenz kaufen Windows 10 Home lizenz kaufen Office 2016 lizenz kaufen office lisans satın al office 2019 satın al