Um olhar para ver

por Paulo Neto | 2015.08.23 - 18:55

 

Os franceses cultivaram com requinte a cultura do “flâner”. Traduzido à letra significa deambular, ou andar calma e sossegadamente, a passear a pé, sem destino nem rumo certo. Uma atopia ou vagabundear incessante…

Hoje, com a pressa que a todos atormenta – mesmo aqueles que nada têm que fazer – esta atitude desapareceu dos nossos hábitos, muito contaminados pela noção de pressa, urgência, emergência e mudança.

low2

E porém, muito aprecio este deambular… Pegar numa máquina fotográfica e andar horas a fio, por aqui e por além, na cidade, nesta ou noutra, numa aldeia qualquer da nossa terra, ou, até, a esmo natureza fora. Sem pressas – essa desnecessária inquinação do normal e fluido ritmo das nossas vidas –  caminhar, olhar e… ver. E naturalmente fotografar aquilo que mais me chama a atenção, pela positiva ou pela negativa, visto à luz da perspectiva, ângulo, enfoque ou ponto de vista do meu olhar – e claro, da lente de uma boa objectiva.

low1

As coisas que nós vemos. Tantas delas há séculos lá presentes e tão pouco “dignas” do olhar do transeunte apressado em que nos convertemos.

Talvez o homem contemporâneo esteja saturado das agressões visuais que poluem o natural envolvente. Talvez os olhos se lhe cansem para ver, numa espécie de autodefesa inconsciente. Talvez…

rd1low

Ainda hoje, vadiei mais de duas horas pela minha cúmplice Rua Direita. Pelas suas transversais. Pelos seus arredores. É um trajecto que não me cansa pois de cada vez capto mais um pormenor novo, tenho uma vista diferente. Até e porque o meu “olhar” de hoje nunca é o meu “olhar” de ontem, nesta era inquietante e magnífica em que a mutabilidade – essa mutação vertiginosamente acelerada – nos toma e nos arrebata.

rd16low

Todos os autarcas e todos os técnicos com capacidade decisória das autarquias deviam tirar uma manhã por semana para, com uma compacta baratinha nas mãos, deambularem pela urbe, pelas freguesias do seu concelho… De tarde, descarregavam as fotografias numa pasta do seu pc. À noite, olhavam para elas com atenção e ponderação.

Talvez vissem aquilo que nunca lobrigarão nem entenderão atrás das cómodas secretárias dos atapetados gabinetes onde gastam seu ócio em abundantes e peregrinas tarefas inócuas, improdutivas e ineficazes.

Com a devida vénia, pois o chapéu não caberá em todas as cabeças…