Repulsa… Enfim, unidos PSD-PS!

por Paulo Neto | 2014.11.21 - 10:10

 

 

O PSD sabe unir-se ao PS. Ou vice-versa. Quando lhes toca directamente nos interesses pessoais. Não quando é necessário pugnar pelo bem-estar dos portugueses.

A reposição das subvenções vitalícias aos políticos é disso o mais cru e óbvio mau exemplo.

Quando se vivem momentos de uma dureza económica brutal; quando, por exemplo o ISS despede 697 trabalhadores de uma assentada; quando o governo se prepara para despedir 12 mil colaboradores, mandando-os para a mobilidade com 60% do salário que será gradualmente reduzido em talhadas de 20% até ao zero; quando os aposentados sofrem cortes mensais nas suas pensões e vêem os subsídios aos quais tinham inalienável direito serem comidos pela ganância alarve de Coelho e Portas… vem um Lelo, aparente incarnação da abjecta cupidez e um Couto – que já julgávamos num Lar de 3ª idade – unidos, amigos, entendidos, clamar pelo dinheiro roubado aos portugueses para lhes proporcionar o conforto imoral das suas contas bancárias em chorudas pensões. Para toda a vida!

Os políticos são hoje vistos, em geral, como o esterco da sociedade portuguesa. Começam a parecer-se com uma ralé imunda de oportunistas e de escumalha.

O PS ao juntar-se nesta “cruzada” ao PSD mostrou o seu rosto. O seu rosto é o de José Lelo e da avidez incongruente, incoerente e rapinante. Se o PS tivesse líder parlamentar com mais coluna vertebral, tal não aconteceria…

Infelizmente, e contra factos não há argumentos, é tudo farinha do mesmo saco. O clamor dos actos e a sua falta de decência sobrepõe-se à seda hipócrita das palavras.

Os portugueses querem eleger mais gabirus desta natureza?

Os políticos são todos meliantes? Haverá excepções, não sabemos é quantas!