O Portugal ao “pé-coxinho” de Almeida Henriques

  Foi com o maior pesar que soubemos pela LUSA que tinham sido “chumbadas 56% de um total de 175 das candidaturas ao Desenvolvimento Local de Base Comunitária”, logo na pré-qualificação tendo sido aprovadas 76 e reprovadas 99. Alegando a entidade decisora que “83 não reuniam condições de qualificação e 16 não tinham, sequer, condições […]

  • 11:39 | Sábado, 18 de Abril de 2015
  • Ler em 2 minutos

 
Foi com o maior pesar que soubemos pela LUSA que tinham sido “chumbadas 56% de um total de 175 das candidaturas ao Desenvolvimento Local de Base Comunitária”, logo na pré-qualificação tendo sido aprovadas 76 e reprovadas 99. Alegando a entidade decisora que “83 não reuniam condições de qualificação e 16 não tinham, sequer, condições de admissibilidade”.
A Região Centro teve 22 candidaturas aprovadas e 44 chumbadas, tendo sido as 35 candidaturas apresentadas na vertente urbana todas reprovadas. Entre elas, a de Viseu feita em parceria com o CERV, Conselho Empresarial da Região de Viseu, cujo presidente é João Cota, o ex-presidente da AIRV.
Lembramos que até aqui a apresentação de candidaturas e a gestão dos dinheiros comunitários era feita pela ADDLAP tendo, pela primeira vez, sido fraccionada para dar oportunidade ao CERV de fazer a sua gestão. Foram feitos vários seminários sobre o assunto, trouxeram-se secretários de Estado, foram delegações em comitiva aos lugares de decisão, mas… pelos vistos e lamentavelmente, debalde…
Foi criado um consórcio para estratégia de desenvolvimento local e anunciado em Fevereiro deste ano, a VISSAIUM 21, tendo na altura Almeida Henriques anunciado ser “uma prova da maioridade da sociedade de Viseu e um teste à sua capacidade”. Almeida Henriques e os seus “partners”, infelizmente para a sociedade viseense reprovaram no teste. A comissão executiva deste consórcio foi liderada pelo CERV em quem todos nós depositáramos a maior esperança e a mais inteira fé. Faltou-lhe, talvez, a “maioridade” exigida. Era em grande parte com base no êxito desta candidatura que, nas palavras do autarca “Viseu quer defender e projectar o seu estatuto e o seu desígnio de Melhor Cidade Para Viver”. Esperamos que tal e tão fundamental desiderato não fique agora comprometido, até e porque este eixo é a essência de um programa autárquico nas urnas sufragado. Na altura, o autarca destacou ainda  “defender esse desígnio pelo investimento nas pessoas e nos territórios enquanto realidades humanas, económicas e culturais” enquadrado em problemas tais como “o elevado desemprego jovem, a falta de qualificações profissionais de desempregados, a dependência de rendimentos sociais e o aumento acentuado do envelhecimento populacional.” E acabava as suas declarações referindo a importância que esta candidatura tinha para “reabilitação do edificado”, rematando “Estamos ansiosos para que os financiamentos do Portugal 2020 se abram definitivamente para activar o seu funcionamento.”
Ontem, em conferência de imprensa, o autarca desabafou o seu “desconforto” pela reprovação desta tão ansiada candidatura, cujo resultado apodou de “absoluto paradoxo” e mais disse que o Portugal 2020 ”não está a começar bem: começa com o pé esquerdo, ou, para quem não goste da expressão, com o pé-coxinho”.
Numa crítica implícita ao governo “laranja”, o autarca foi mais longe “é um bocado decepcionante ver que trabalho bem feito é literalmente deitado para o caixote do lixo” e que tem alertado “para a deriva centralista dos novos fundos comunitários” e para o centralismo do poder que “é um desrespeito pela autonomia do poder local. É preciso corrigir a miopia centralista”, advertiu.
Recordamos que Almeida Henriques deixou o lugar de secretário de Estado da Economia deste governo para se candidatar à CMV, devendo por isso, seguramente, saber do que fala.
Perante os factos e os eventuais e consideráveis prejuízos daí advenientes, o Rua Direita não quer deixar de expressar aqui a sua total solidariedade com Almeida Henriques e João Cota, os homens certos nos lugares certos, que apesar de tudo terem feito para o êxito desta candidatura foram mal compreendidos pelos seus correligionários laranja do poder central.
Um forte e solidário abraço.
 
 
 
(Foto DR, CMV facebook)

Gosto do artigo
Publicado por
Publicado em Editorial

Office Lizenz Kaufen Windows 10 pro lizenz kaufen Office 2019 Lizenz Office 365 lizenz kaufen Windows 10 Home lizenz kaufen Office 2016 lizenz kaufen windows lisansları windows 10 pro satın al follower kaufen instagram follower kaufen porno