A equipa do PSD para o Distrito

por Paulo Neto | 2016.07.09 - 13:59

 

 

 

Hoje, o PSD elege os seus Orgãos Distritais, vulgo, a Comissão Política Distrital. O sufrágio decorre das 15 às 19H00. Apresenta-se uma lista única.

No nosso entendimento, uma boa lista. Uma lista com 18 elementos, com muita renovação e juventude, além de incontornáveis nomes como Adriano Azevedo e Lima Costa, o primeiro que pode vir a ser o próximo presidente da Câmara de S. Pedro do Sul e o segundo, o ex autarca de S. João de Pesqueira e ilustre deputado à Assembleia da República, com todo o valor.

Também por lá vejo ex-alunos meus, pessoas que por tal conheço pessoalmente pela sua qualidade intelectual e moral.

Numa lista assim, não poderíamos deixar de encontrar aqueles que o Compadre Zacaria designa de “mal-parados”, a gentinha que sem um partido por trás é menos que zero, e só aprenderam na vida, desde sempre, a trepar pelo PSD acima. No bom pano cai a nódoa e um “arbusto” não faz a floresta.

Nesta lista um realce especial para os 3 primeiros nomes: Pedro Alves, um obreiro social-democrata com mérito – goste-se ou não do estilo, a sua acção fala por si – Carlos Silva, o presidente da Câmara de Sernancelhe, a representar e excelentemente o norte do distrito e a comunidade Douro-Sul, e Rui Ladeira, o presidente da Câmara de Vouzela, a representar o sul do distrito e a comunidade Viseu-Dão Lafões.

A anterior CPD estava gasta, bafienta e cheia de teias de aranha, com excepção de António Jesus, presidente da Câmara de Tondela, que estranhamos, talvez por qualquer incompatibilidade institucional, não ver na lista.

 

Por seu turno e noutras fileiras, o CDS/PP esgota-se no esgotado Hélder Amaral. Deverá ter eleições para a Concelhia este mês, pois acaba o mandato recatado de Joana Couto. Quanto à distrital… a distrital é ele, ele, ele…

O PS, nas mãos do inefável António Leitão Borges y sus muchachos, que se cuide, pois e para já, na mais simplista das análises, pode perder para o PSD 3 autarquias a sul de Viseu, que estão por um fio e, finalmente, não por mérito seu mas por desmérito absoluto de Francisco Lopes, ganhar a autarquia lamecense.

Aguardamos novas da CDU e do BE.

Como uma espécie de senadores de prateleira, “transladados” para a Mesa da Assembleia Distrital, lá pontificam na imparável fase descendente, Mota Faria e Alexandre Vaz. Este último, meu conterrâneo, a merecer outra companhia.

Pedro Alves escreve no seu Manifesto:

Estamos conscientes dos desafios deste ciclo político e convictos que reunimos as condições e disponibilidade necessárias para ajudar o Partido a alcançar os objectivos políticos e eleitorais que ambicionamos.”

Pela primeira vez, estamos de acordo…