A cambada…

por Paulo Neto | 2016.02.02 - 20:07

 

 

Martin Schulz com toda a autoridade do cargo que desempenha de presidente do Parlamento Europeu veio afirmar que “os cidadãos europeus estão a ser espoliados para salvar bancos” (cito de cabeça).

Nada que todos nós não tivéssemos já sentido nas depauperadas carteiras.

Num mundo alucinado de especulação canibalizada, os altos dirigentes bancários pagos a peso de ouro jogam um monopólio estranhíssimo, doloso, lesivo com o dinheiro dos depositantes.

Numa roda-viva de total impunidade desgraçam milhões de famílias, impõem terríveis sacrifícios de consequências trágicas não quantificáveis e as suas administrações passam imunes e cumuladas da riqueza extorquida pelo seu terrorismo financeiro.

Isto com a parcial (ou total?) cumplicidade do BCE, do FMI e das mais altas instituições monetárias mundiais.

No fundo, depois de vermos que em Davos se reuniram os 60 donos do mundo, sabemos que todos trabalhamos para eles, nós, essas e outras instituições incluídas.

A Europa perdeu a soberania e é hoje um clube de marionetas manipuladas por essa “elite sem rosto do €€€”.

Nunca serão julgados pelos seus actos. É tudo deles. O único e triste consolo é que também eles morrem, um dia, muito santificados e empertigados, para gáudio dos vermes que, enfim, deles farão manjar…

 

O relatório da IGF é demolidor para o presidente da autarquia lamecense, Francisco Lopes.

Mas que lhe interessa isso? Que o preocupa deixar a Câmara endividada para as futuras gerações? Que sono lhe tira serem as outras autarquias com boas gestões dos dinheiros públicos, com o FAM e os contribuintes portugueses a pagar os seus desmandos de gestão? Nada!

Cavaco fê-lo comendador-de-qualquer-coisa no passado Dia de Portugal. É presidente da Comunidade Intermunicipal Douro-Sul. É vice-presidente da distrital do PSD de Viseu. É membro do conselho geral do IPV, etc., etc., etc…

Um bom rapaz, com quase 12 anos de gestão autárquica polémica e lesiva para o seu território e, talvez por isso mesmo, arriado de “bençãos” como gratificação pela boa capitania do município e pelos seus “excelentes” serviços prestados à Nação.

 

Coelho e Portas, antes de deixarem em boa e tardia hora o governo de Portugal, talvez para agradecer aos tipos da ANAC, Associação Nacional da Aviação Civil a sua “postura” na venda da TAP, aumentaram em 150% os seus salários.

Há algum comentário que se possa fazer a isto?

Quem os julga pelos seus actos? Pelos vistos os portugueses não. Gostam de ser “mocados” e de quem os “moca”, num masoquismo inexplicável à luz de toda a razão…

E eles, Coelho e Portas sabem-no.

Por isso, que mal há em espoliar milhares para cumular de benesses 3 ou 4 apaniguados?

Ler aqui…

http://www.jornaldenegocios.pt/empresas/detalhe/jn_administracao_da_anac_com_aumentos_de_150_nos_salarios.html

 

Vivemos tempos confusos onde todos os valores se alteraram em definitivo. O vilão tornou-se o herói da fita. E o bom foi relegado a figurante de 3ª.

E ainda, num alarve despudor, se faz gala das “atrocidades” cometidas, sem um único olhar de contrição ao rasto de destruição perpetrado.

Conscientes da desmemória da massa acrítica, ainda desempenham com compungimento, na AR o papel impoluto das ofendidas virgens dos velhos bordéis do Bairro Alto.