As Papilas do Senhor Reitor

por Alexandra Azambuja | 2019.09.25 - 11:56

Cai o Carmo e a Trindade com a medida na Universidade de Coimbra que decide não utilizar carne de vaca nas cantinas da mais antiga Universidade do País, a partir de 2020.

Das ementas de sete dias seguidos consegui ver, em 14 refeições (almoço e jantar), dois pratos com carne de vaca:  Almôndegas (bovino, porco) e Vitela à Lafões, ou seja, apenas 14% das refeições. Além disso, os estudantes continuam a comer diariamente, se assim o desejarem, carne: de peru, frango ou porco.

Esta pequena análise – que demorou cerca de 5 minutos de consulta na net – está ao alcance da maioria dos comentadores públicos que, no entanto, não se coibiram de vociferar contra a medida,  com o argumento de que os pobres estudantes estavam a ser condenados a ser vegetarianos – quando não vegans – à força.

Ora, entre estes dois regimes alternativos e aquilo que serão as ementas da Universidade de Coimbra, a diferença é abissal. Na verdade, a única coisa que mudará em 2020, se comparado com o que se passa actualmente nas 14 cantinas de Coimbra, são 14% das refeições cuja proteína não será de origem bovina.

A retirada da carne de vaca das ementas não belisca o livre consumo de bifes, bifinhos e quejandos; quem quiser continuará a fazê-lo em sua casa, onde quiser. Mas não pela mão do Estado, na Universidade, onde o exemplo da urgência com que se deve olhar para a Crise Climática pode e deve ser dado.

Face à pequena mudança, o alarido nacional de aijesuzes, absolutamente desproporcionado, mostra várias coisas e nenhuma delas é simpática.

Que a medida é autoritária! O que pensar então de outras medidas como o uso dos cintos de segurança ser obrigatório desde 1993? Para não ser autoritário o Estado deveria esperar algumas gerações até nos tornarmos cidadãos plenamente conscientes da necessidade de utilizar o cinto e prescindir assim de medidas “obrigatórias”? Quantos mortos e estropiados nos custaria essa ausência de “autoritarismo”?

“Já se sabia que comer carne vermelha em excesso faz mal à saúde. O que muitos não sabiam é que o seu consumo excessivo também é prejudicial para o ambiente, seja ao nível dos gastos e da contaminação de água e de solos, seja nas emissões de gases de efeito de estufa, como o metano ou o dióxido de carbono. Globalmente, o sector agrícola — com particular peso do sistema de produção de carne e de produtos lácteos — é responsável por um quinto das emissões de dióxido de carbono e gases equivalentes (CO2eq). E em Portugal por 10%” conta Carla Tomás, no Expresso de 08.12.2018.

Começa a ser consensual que é preciso fazer alguma coisa relativamente às alterações climáticas; o problema é o velho comodismo de achar que se alguém tem de fazer alguma coisa, esse alguém não sou eu. O bifinho tem de continuar sagrado na cantina, alguém que invente um ruminante que não contribua para a pegada ecológica e de preferência já amanhã.

As Papilas do Senhor Reitor podem ser demonizadas hoje. Os nossos filhos, esses, irão agradecer-lhe no futuro.

Alexandra Azambuja – Publicitária