Hoje foi dia de grande corrida

por Paulo Neto | 2019.09.22 - 18:05

Houve hoje uma grande corrida pedestre em Viseu. Uma daquelas excelentes propostas desportivas do Paulo Costa, da Global Sport.

Viseu, terra de grandes maratonistas, vidé Carlos Lopes no desporto e, na política, Almeida Henriques, Jorge Sobrado, etc.,aprecia estas coisas. Todos nós apreciamos. Correr é saudável. Tivesse eu pernas e também lá estaria.

Penso, contudo, que a Câmara quando implementa actividades destas, deveria ser mais eficiente em termos de informação, previsão e fluidez de tráfego. Contudo, o “city boss”, não pensa do mesmo modo. Aliás, pensamos mesmo, que se estará “marimbando” nesses pequenos pormenores, com a sua visão mais além, na linha do infinito…

Sempre que lhe cheira a um qualquer divertimento, seja musical, desportivo, vínico, gastronómico, etc., parece que se lhe tolda a esfuziante mente com o acessório do evento, pouco se preocupando com o essencial.

A liberdade de uns acaba quando põe em causa a liberdade dos outros. Ignorando-o, arranjou uma complicação de trânsito de alto gabarito, durante 4 horas de uma manhã de domingo. Se fosse previdente e competente, tê-la-ia acautelado. Era o mínimo…

A agente da PSP com quem falei, a perguntar alternativas para ir do Palácio de Gelo ao Hotel Montebelo, uns meros 500 ou 600 metros, já estava quase afónica de tanta informação prestar com correcção e civismo. Nada de grave. Ir a Repeses, seguir a Paradinha, descer a Vildemoinhos e subir à Quinta do Bosque. Este desvio não me prejudicou. Mas a outros utentes da estrada, de fora, sem conhecerem a urbe, que lhes diria isto: “Vá ali por Vildemoinhos.”  ?

Não há bela sem senão e esta prova merece alguns incómodos, que seriam quase completamente minimizados se houvesse respeito pelos outros.

E nunca, em caso algum, devia acontecer aquilo que sucedeu ao cidadão que publicou no FB o seu desagrado (ver imagem de abertura). Ele não andava decerto a passear como eu. Apenas queria chegar ao Hospital com a máxima urgência… e demorou 25 minutos, dentro da cidade, para tal.

Não se pode pedir mais a um fulano que, por falta de capacidade para chegar ao substantivo, se atolou comodamente no adjectivo…

Paulo Neto

(Foto DR)