')
 
Menu   

Miguel Fernandes

Miguel Fernandes, nascido em Viseu nos anos 80, durante a adolescência foi consumidor hiper-activo de televisão, música pop e lustrosos clássicos herdados do seu avô paterno. Tornou-se forasteiro, no seu próprio país, primeiro dedicou-se à Ciência Política depois à Gestão, quando finalmente percebeu que "Greed is not Good" regressou à planície beirã.

28.08.2018
Aeródromo Gonçalves Lobato

Após uma leitura atenta da entrevista que o director do Aeródromo Gonçalves Lobato concedeu ao Jornal Digital Dão e Demo, resulta uma opinião francamente positiva, não só sobre percurso profissional do actual gestor, mas também sobre o trabalho que tem sido desenvolvido naquele espaço inaugurado a 16 de Março de 1966.   Se o leitor recuar um punhado de anos, recordará um aeródromo quase abandonado, silenciosamente aguardando […]

Colaboradores, última actividade

  Nos muitos mundos que não se tocam, há em Portugal uma falta de foco inexplicável.   Despachando já o enorme, inultrapassável, agoniante e hegemónico futebol, basta lembrar que do desporto nascido em Inglaterra no séc. 19, até ao lençol interminável de comentadores nas televisões a discorrer sobre o dente do pente que ficou esquecido […]

15 de Novembro, 2018

  Lembram-se da Lusitânia? Não, não falo daquela agência de desenvolvimento regional que deu inexplicável e misterioso sumiço a uns largos milhões de euros comunitários, e não só, há uns anos. Falo do nome atribuído na Antiguidade ao território oeste da Península Ibérica onde viviam os lusitanos desde imemoriais tempos… Por aqui andou Viriato, que […]

13 de Novembro, 2018

  “Imaginem o meu sábado: vou de manhã ao meu bairro clandestino, que está a ficar velho e cheio de velhos sozinhos. A velhice na pobreza parte o coração. A velhice na pobreza e com Parkinson ou Alzheimer é desumanidade. Querem fazer voluntariado e salvar o mundo? Não precisam de ir para a Síria, passem […]

13 de Novembro, 2018

    O estudo da OIT (Global Wage Report 2016/2017: wage inequality in the workplace) revela-nos que Portugal é o país da União Europeia onde as desigualdades de vencimentos são mais elevadas. Como se não bastasse o facto de os trabalhadores portugueses figurarem entre os que maior carga fiscal têm de suportar (13º em 35, […]

13 de Novembro, 2018