Teatro Viriato – ABRIL a JULHO NOVA TEMPORADA

por Rua Direita | 2015.03.25 - 14:18

 

 

Na nova temporada abril/julho, apresentamos uma programação de uma enorme coerência dentro de uma aparente incoerência, porque desta vez não respeitámos o equilíbrio entre as diferentes áreas artísticas. A programação terá muito teatro, com encenadores de sensibilidades muito distintas, de gerações também diferentes, mas todos eles com identidades muito fortes, todos eles servidos por elencos fantásticos, uns mais mediáticos que outros. São peças que pelo seu interesse e pelo momento em que se apresentam, merecem ser acompanhadas. Além disso, um elevado número conta com a coprodução do Teatro Viriato. A dança abre e fecha a temporada que, no entanto, só terá três momentos fortes. André Mesquita apresenta no arranque da temporada o espetáculo Nostos. É um coreógrafo que temos apoiado muito e que foi aplaudido recentemente pela crítica. Teremos as Linhas de Newton de Aldara Bizarro para um público mais jovem. E a Clara Andermatt, enquanto Artista Residente do Teatro Viriato em 2015, desenvolverá um workshop com a comunidade. Em relação à música teremos também projetos interessantes, nomeadamente a parceria com a Gira sol Azul e um momento musical a não perder com a Orquestra Tout Puissant Marcel Duchamp, um projeto recente que tem recebido distintos elogios. Este concerto só é apresentado no Teatro Viriato e na Culturgest.

 

Paulo Ribeiro, durante a apresentação da programação de ABR a JUL’15

 

A estreia absoluta de The Wall, de Miguel Fragata, o retorno do coreógrafo André Mesquita a Viseu e a parceria com a associação Gira Sol Azul na área da música são alguns dos destaques desta nova temporada de abril a julho. Um novo quadrimestre que conta ainda com diversas propostas teatrais de uma nova geração de criadores e de nomes maiores da encenação portuguesa que pela sua força e linguagem imprimem à nova programação uma pluralidade de conceitos, visões e sensibilidades. Na música, género que será também transversal a toda a programação, o Teatro Viriato sugere um concerto de celebração da Noite de São João, com a reconhecida Orquestra Tout Puissant Marcel Duchamp. Mantendo a aposta no desenvolvimento da criação artística na região em estreia relação com o público local, o Teatro Viriato promove um workshop de dança com Clara Andermatt, Artista Residente do Teatro Viriato em 2015.

 

É com uma reflexão do coreógrafo André Mesquita sobre o que significa retornar a casa que abre a nova temporada de abril a julho. Em Nostos – Uma eventual penumbra de ambiguidade (02 de abril), o coreógrafo explora a ideia de corpo/casa e de nostalgia. Ao longo de 60 minutos, os intérpretes surpreendem com virtuosas frases coreográficas e cativantes leituras do espaço. Ao universo estético do coreógrafo junta-se a música original do pianista australiano Simon James Phillips que acompanha ao vivo o movimento dos bailarinos. Apresentado recentemente em Lisboa, Nostos surpreendeu a crítica e o público. Em Viseu, o espetáculo conta com a parceria do Festival de Música da primavera.

 

O mês de maio acolhe a estreia de The Wall (07 a 09 de maio), um projeto de teatro para adultos e crianças a partir dos oito anos, que assenta num dispositivo cénico que propõe a apresentação de dois espetáculos em simultâneo, para duas plateias distintas, uma de adultos e outra de crianças. O muro que separa as duas plateias representa a barreira que existe entre adultos e crianças e é essa questão que a peça se propõe a abordar. No âmbito desta estreia, o Teatro Viriato acolhe ainda, no dia 08 de maio, a exibição do documentário The Wall. A Pesquisa, de Maria Remédio, que retrata o processo de pesquisa para a criação da peça. A Companhia Ao Cabo Teatro recupera a obra de Jean Racine Britânico (15 e 16 de maio), uma tragédia em cinco atos, que reflete sobre os valores civilizacionais e a monstruosidade  das suas personagens. A peça é encenada por Nuno Cardoso um dos grandes nomes da encenação em Portugal e cujos trabalhos arrecadam sempre os aplausos do público viseense. O Teatro Viriato associa-se à Gira Sol Azul e acolhe o concerto do coletivo Tranglomango (21 de maio), uma formação instrumental clássica do Rock que integra ainda um acordeão e que se deixa influenciar pela cultura tradicional portuguesa. Este concerto, no qual será dado a conhecer pela primeira vez o álbum Más Línguas integra a série de apresentações dinamizadas pela GiraDiscos, um carimbo discográfico da Gira Sol Azul através do qual a Associação pretende divulgar e estimular a criação artística na área da música em Viseu e apoiar a edição discográfica independente. Atentos às questões da solidão e isolamento dentro de quatro paredes, Madalena Victorino e Pedro Salvador desenvolveram o projeto Companhia Limitada (27 a 30 de maio), através do qual irão criar peças teatrais inspiradas em histórias de solidão que se vivem na cidade de Viseu. O resultado final será dado a conhcer aos protagonistas das histórias em sessões intimistas e em duas sessões abertas ao público, que tomarão lugar no Hotel Avenida. O mês de maio encerra em parceria com a Jazz ao Centro, com o café-concerto do grupo What About Sam (27 de maio). O coletivo mantém uma forte ligação à tradição jazzística, mas aposta também na exploração de novos territórios musicais. Em Viseu, irão apresentar o disco de estreia.

 

Também será com música que se inicia o mês de junho. O grupo Azul Espiga (04 de junho) apresenta o álbum de estreia, um trabalho influenciado pelas histórias do campo e das tradições agrícolas, onde a profundidade harmónica e rítmica dos arranjos se fundem com uma complexa riqueza melódica. Este disco tem também o carimbo da GiraDiscos da Gira Sol Azul. Construído a partir das histórias e situações de deportação para o arquipélago dos Açores de cidadãos portugueses a viver nos EUA e no Canadá desde a infância, I Don’t Belong Here (19 e 20 de junho) reúne em palco atores profissionais e algumas das pessoas que viveram o repatriamento. O espetáculo que ambos desenvolveram é uma gigante biografia que relata os momentos mais marcantes desta experiência tão controversa. Para assinalar a Noite de São João, que se quer festiva e animada, o Teatro Viriato acolhe o concerto com a Orquestra Tout Puissant Marcel Duchamp (24 de junho) um agrupamento de referência, apreciado pelo público e aplaudido pela crítica internacional. Prometem uma noite ritmada, inspirada na World Music. No Teatro, destaque ainda para o espetáculo Pocilga (27 de junho), do jovem encenador John Romão, que pretende constituir uma homenagem a Pier Paolo Pasolini, um dos autores mais profícuos e controversos do nosso tempo, no ano em que se assinalam 40 anos da sua morte. Com um elenco de luxo, a peça pinta um quadro metafórico sobre a decadência humana da sociedade capitalista. De 28 a 30 de junho, os alunos do Lugar Presente encerram o ano letivo com as Apresentações Finais. Ao palco sobe um exercício de partilha do trabalho desenvolvido ao longo do ano, um momento de celebração com familiares e amigos. O programa das Apresentações Lugar Presente prevê um dia especial (28 de junho), no qual o coreógrafo Paulo Ribeiro vê o seu trabalho ser interpretado quer por alunos, quer por um dos nomes da nova geração da dança contemporânea, Marco Ferreira da Silva.

 

No âmbito do Sentido Criativo, a temporada abril a julho terá uma componente muito forte de espetáculos para o público escolar e para as famílias. Em junho, os bebés entre os 6 meses e os 3 anos são convidados a viajar num ambiente criativo de exploração sonora e sensorial na peça Lá Fora (11 de abril). Oscilando entre um workshop de físico-química, uma manifestação e uma conversa íntima, Cláudia Jardim, Patrícia Portela e Sónia Batista convidam o público escolar e as famílias (com crianças a partir dos 6 anos) a analisarem o mundo dos materiais que constroem as rotinas diárias, em Fábulas Elementares. Com a nova programação, regressa também o espetáculo itinerante Vissaium (18 de abril a 20 de junho), que proporciona uma viagem pelas ruas de Viseu e a descoberta do património arqueológico da cidade. As leis da física e da geometria comandam o novo espetáculo de Aldara Bizarro. Em Linhas de Newton (22 e 23 de maio), os movimentos de uma bailarina desenham no palco linhas, planos, pontos e formas, criam novas perspetivas e conduzem o público para o campo da fantasia e do belo. Depois de ter acolhido em novembro, o projeto Dançando com a Diferença Road, o Teatro Viriato continua a desenvolver um trabalho de sensibilização para as questões da deficiência. Recebe de 18 a 20 de junho, a terceira edição do Encontro Normal com a Diferença, que é organizado pela Companhia Clara Andermatt e pelo Grupo Dançando com a Diferença.

 

EXPOSIÇÃO FOYER

No foyer do Teatro Viriato, mantem-se até dia 24 de julho, a exposição fotográfica de Carlos Fernandes, colaborador do Teatro Viriato e fotógrafo freelancer. Scene surge da vontade do autor em mostrar o olhar de quem está no lugar de direção de cena e tem uma perspetiva e leitura diferente sobe o palco. Uma vez que a mostra se encontra exposta desde o mês de janeiro, o autor decidiu efetuar algumas mudanças na disposição da mesma, assim como introduziu novas fotografias.

 

ARTISTA RESIDENTE

A coreógrafa Clara Andermatt será a Artista Residente do Teatro Viriato em 2015 e desenvolve nos meses de maio e julho um Workshop de Dança Contemporânea para públicos maiores de 16 anos, interessados em dança e no contacto direto com a linguagem coreográfica de Clara Andermatt. Neste workshop, os participantes serão desafiados a descobrir as potencialidades e limitações do corpo, de forma a que o possam libertar de bloqueios, atingindo assim um estado de ação/pensamento criativo.

 

SETEMBRO EM ANTECIPAÇÃO

Reconhecida pelos seus imponentes e extravagantes espetáculos, a companhia Théàtre de La Mezzanine, que em 2011 apresentou a ópera Dido e Eneias no Teatro Viriato, regressa no mês de setembro com uma paródia teatro-musical sobre a I Guerra Mundial. A Tragédia é o melhor pedaço do animal, demonstra uma vez mais um talento especial da companhia para a criação de metáforas que conduzem o público para um mundo visual, teatral e musical complexo e surpreendente.

 

Projecto na área da comunicação social digital, 24 horas por dia e 7 dias por semana dedicado ao distrito de Viseu

Pub