PS Tondela denuncia “nova tentativa de branquear o negócio da água na Zona da Águas do Planalto”

por Rua Direita | 2015.07.14 - 15:21

 

Após a tentativa falhada de fazer aprovar, nos órgãos municipais, o Regulamento de Serviço Público de Distribuição e Fornecimento de Água, que abrange os cinco concelhos abastecidos pela Águas do Planalto (AP), a Associação de Municípios da Região do Planalto Beirão (AMRPB), num processo muito pouco claro, tenta agora, às escondidas dos consumidores, ratificar, de forma ardilosa, o ruinoso contrato assinado em 2007.

Este documento, proposto pelo executivo, e levado a discussão da sessão ordinária da Assembleia Municipal de Tondela, de 30 de abril de 2015, acabou por ser retirado por força da intervenção do Partido Socialista que anunciou, a ser aprovado, representaria o branqueamento do negócio concretizado há 8 anos atrás!

Agora,  composto do seu vergonhoso Preâmbulo, mas mantendo todo o articulado,  que garante as desmedidas ambições da concessionária AP,  a AMRPB colocou no seu “sitio”, para discussão pública, o mesmíssimo documento – uma farsa que coloca aquela associação nos trilhos da cumplicidade, contra os interesses dos consumidores.

Não fossem as investigações que estão a decorrer, por força das denúncias, nem a AMRPB nem a AP (esta , totalmente absorvida nas suas contas de multiplicação de lucros), teriam dado conta da ilegalidade que pisam! A ausência de regulamento arremessa a concessão para a ilegitimidade mas, mais grave, com suspeito conhecimento da ERSAR, que não atua, demonstrando, uma vez mais que, enquanto entidade reguladora, estar do lado contrário ao que deveria ficar !

Apesar das cartelizadas artimanhas, que já não nos surpreendem, não podemos deixar passar em vão mais este ultraje aos interesses de todos nós, consumidores!

Continuaremos a denunciar todo este processo, lamentando que a AMRPB, como lhe competia, não tenha procurado um parecer jurídico sério e competente, invocando falta de dinheiro! No entanto, teve dinheiro (que é nosso) para pagar os serviços a  uma auditora (Deloitte), que não soube fazer contas e, como seria de esperar, se revelou inconclusiva, mas que nos custou 80 mil euros! Repetimos – 80 mil euros!

Seria exaustivo desmascarar todo o articulado abusivo, de tão grave e extenso que é, mas estaremos prontos para o denunciar em sede própria.

Para já, iremos pedir às entidades competentes, que procedam em conformidade com a Lei e perguntar o porquê de tão comprometedor silêncio.

Eles não desistem, mas não também não desistiremos!

 

A Comissão Política do Partido Socialista de Tondela

Projecto na área da comunicação social digital, 24 horas por dia e 7 dias por semana dedicado ao distrito de Viseu

Pub