“o Executivo Municipal insiste obsessivamente numa política de imagem, comunicação e realização de festas e eventos vários”, acusam os vereadores Ps à CMV

por Rua Direita | 2018.12.17 - 11:44

Da reunião de câmara realizada a 13 de dezembro de 2018, a RD recebeu dos vereadores socialistas um extenso documento, do qual deixamos aqui, aos nossos leitores,  alguns itens mais relevantes…

 

 

Para além de outros sinais e indicadores sobre o período critico que vive o Executivo Municipal, nas últimas cerimónias municipais, contrariamente ao que é historicamente hábito em Viseu, verificou-se a ausência generalizada dos presidentes de junta de freguesia.

(…)

Para os vereadores da oposição o Executivo Municipal não tem uma efetiva política proativa de desenvolvimento local-rural. Referir o pomposo documento Viseu Rural não basta, porque, no essencial, não saiu dos discursos e do papel.

As freguesias dos extremos norte e oeste do N. Concelho continuam inapelavelmente a sua erosão socioeconómica e demográfica. Não há medidas de discriminação positiva para as freguesias de baixa densidade, como o Presidente de Câmara de Viseu tanto apregoa para a dicotomia litoral-interior do País.

Como já é a perceção generalizada dos viseenses, o Executivo Municipal insiste obsessivamente numa política de imagem, comunicação e realização de festas e eventos vários. A maioria, diga-se, sobre a redoma da Viseu Marca, não permitindo um efetivo escrutínio político dos dinheiros públicos. O Relatório e Contas continua por disponibilizar aos vereadores da oposição.

(…)

É fundamental realizar um balanço sobre esta estratégia e cada um dos eventos municipais de animação. Qual tem sido afinal esse retorno efetivo? Há estudos sobre isso? Há retorno económico e social? O executivo tem analisado isso? Tem feito esse balanço? Tem valido a pena seguir este caminho? Ou tem sido uma estratégia demasiado superficial?

Em reunião de câmara o Presidente não apresentou qualquer facto concreto, estatísticas ou dados que permitam avaliar esta estratégia política.

(…)

Para o PS a recente entrevista do Presidente dos “Ribeirinhos” tem um profundo significado político. Olímpio Coelho queixa-se da falta de diálogo e da marginalização a que o tradicional clube de Viseu foi votado pela CMV, nomeadamente o fim da Meia Maratona de Viseu, em 2013, por inopinada falta de apoio da CMV.

(…)

Sobre as recentes visitas realizadas pelo Presidente da Câmara de Viseu no âmbito do “Viseu Habita“, promovendo, através da “máquina” de imagem e comunicação da CMV, uma grande exposição mediática, os vereadores do PS entendem que o trabalho social deveria merecer mais discrição e recato e não sujeitar os cidadãos a esta exposição pública, com ou sem autorização dos mesmos.

Em reunião o PS questionou o Presidente de Viseu sobre a situação social inadmissível de uma família a viver, há meses, numa furgoneta num parque de estacionamento da cidade. Que diligências foram ou estão a ser feitas pela CMV?

Mais uma vez, na sua atitude antidemocrática de não responder à maioria das perguntas – as mais incómodas(?) –, e em consonância com a sua inabilidade para as políticas de proximidade e sensibilidade social, o Sr. Presidente da Câmara não respondeu à pergunta.

Os vereadores do PS, apesar de aprovarem e louvarem o Protocolo de Colaboração entre a VISSAIUM XXI – com parceria fundadora pela AIRV, IPV, Piaget e Universidade Católica – e o Município de Viseu, como já tinham feito num outro “protocolo constituinte”; abstiveram-se na votação sobre o arrendamento das instalações da Associação, por um montante muito expressivo despendido pela CMV, por não verem esclarecidas pelo Executivo dúvidas relevantes que colocaram.

(…)

Como já aconteceu em diversas reuniões, o PS sinalizou os problemas no fornecimento de refeições escolares que continuam a verificar-se nas escolas do concelho de Viseu.

Os vereadores do PS fizeram votos para que a contratação de técnicos na área da engenharia civil e da arquitetura, votados em reunião, minimizem a excessiva contratualização exterior de projetos nestas áreas tradicionais da esfera municipal.

Projecto na área da comunicação social digital, 24 horas por dia e 7 dias por semana dedicado ao distrito de Viseu

Pub