O dia em que o Queijo Serra da Estrela foi grande

por Pedro Morgado | 2014.02.16 - 21:47

Por estranho que possa parecer ainda há um curioso deslaçamento entre os agentes que defendem e promovem a valorização a do Queijo da Serra da Estrela. Produtores, comerciantes, municípios e populações concordam sempre que o mais antigo dos queijos portugueses merece um lugar de destaque no mundo contudo, é difícil vencer uma certa sobranceria territorial que, disfarçadamente, continua a querer atrasar e condenar os esforços de todos aqueles que todos os dias vivem e preservam o saber fazer de um dos poucos produtos nacionais distinguidos com a certificação DOP (Denominação de Origem Protegida).

Tal como em muitos outros sectores de actividade, ou em muitas outras histórias de sinal igual, é necessário o aparecimento de uma figura de proa, alguém que quebre o “marasmo” e que se prontifique para dar início ao desenvolvimento de um trabalho sério e sólido. Nesta história, a Casa da Ínsua, unidade de charme da Visabeira Turismo, decidiu ser ela a “locomotiva” deste movimento e organizou no passado sábado, 15 de Fevereiro, o “Queijo Serra da Estrela à Chef”, um evento que de uma forma pedagógica conseguiu reunir em Penalva do Castelo uma miríade de seguidores em nome do queijo destas terras.

Não foi só a geografia e a tradição queijeira de uma região que se deu a conhecer de perto. Foi, sobretudo, as ambições, os rostos, as alianças e o novo papel que o Queijo Serra da Estrela pode ter nos novos mercados: um produto gourmet que tem todas as características necessárias para que se venha a constituir como um produto de eleição e a marcar presença nos menus de degustação das principais unidades de restauração de todo o mundo.

Cerca de 200 pessoas aceitaram o desafio e rumaram a Penalva. Ali, nas terras situadas entre o rio Dão e o rio Côja onde ainda se respira história e tradição, criou-se um novo momento: um pólo galvanizador e uma rampa de lançamento para a valorização do Queijo da Serra da Estrela.

Nesta primeira edição que se dividiu em diferentes momentos, o “Queijo da Serra à Chef”, evento promovido em parceria pela Casa da Ínsua e pela Câmara Municipal de Penalva do Castelo, abriu em glória com a apresentação de um menu de degustação inédito que privilegiou um dos mais tradicionais produtos portugueses, o Queijo Serra da Estrela DOP, construído por seis dos mais conceituados chefs no panorama nacional: Ljubomir Stanisic, Miguel Castro e Silva, Miguel Laffan (chef com estrela Michelin), Vítor Claro, Rui Paula e Paulo Cardoso (chef residente do hotel Casa da Ínsua).

Ao Rua Direita, Miguel Laffan, o chef de 34 anos que foi distinguido com uma estrela Michelin na edição de 2014, destacou a versatilidade e as qualidades do Queijo da Serra da Estrela quando, enfatizou a sua preocupação, tomou conhecimento de que apenas cinco casas desta região o produzem.

“A razão que me trouxe aqui foi, sobretudo, a minha inteira solidariedade e disponibilidade para ajudar à afirmação do Queijo Serra da Estrela enquanto produto e reafirmar a sustentabilidade do mesmo. Daquilo que me foi transmitido, considero uma pena que nos dias de hoje apenas cinco casas o produzam. Acho até que esta situação é um escândalo pois, no meu entender, é através destes pequenos produtores que o país e, consequentemente, as regiões, podem evoluir. Destaco, enquanto cidadão, o sinal positivo que o Grupo Visabeira dá ao país de como, enquanto entidade privada, é possível também colaborar na alavancagem e na majoração do valor das nossas marcas e daquilo que é nosso. São, sobretudo, bons portugueses”, acrescentou.

1

Já Miguel Castro e Silva, o chef que nasceu no Porto e que já leva mais de mais de vinte anos de profissão, mostrou-se surpreendido pela dimensão e pela organização que a Casa da Ínsua emprestou ao evento para as quais, disse, não estava preparado.

“Com a vida maluca que nós levamos, nada me preparou para o evento que aqui encontrei: um evento com uma dimensão muito interessante e que é, naturalmente, de louvar. Penso aliás que, tudo aquilo que se configura como uma tentativa de promover ou que procure dar sustentabilidade a produtos portugueses diferenciadores, merece ser enaltecido e deve contar com a nossa presença e com a nossa interira colaboração. Portugal é um país boutique que se deve afirmar pela diferenciação e que pode ser apelativo quando se faz um trabalho bem feito, como é exemplo o caso presente”, salientou.

4

O almoço sobre o qual se debruçou praticamente toda a massa crítica do sector queijeiro da região, algumas dezenas de anónimos e uma vasta representação da comunicação nacional e local, foi composto por um amuse bouche, duas entradas, dois pratos – um de peixe e outro de carne – uma sobremesa e uma pequena surpresa durante o café: bombons de chocolate preto com recheio de Queijo Serra da Estrela.

Também José Matias, director executivo da Casa Matias em Carragosela (Seia) e um dos herdeiros de uma tradição e de uma história com quase 200 anos no fabrico do Queijo Serra da Estrela, realçou a importância da iniciativa levada a cabo em Penalva do Castelo.

“Quero aqui deixar os meus parabéns à organização pois este é, de facto, um evento único que a nossa região e, essencialmente, este produto, já merecia. Este tipo de promoção e este carinho eram há muito devidos. Quanto mais se fizer por este produto mais se poderá ganhar. Hoje, o Queijo Serra da Estrela é um produto que merece estar em qualquer parte do mundo pois ele destaca-se naturalmente pela sua história, pela sua arte e pela sua cultura. São eventos como este que merecem ser replicados e repetidos para que, efectivamente, se possa promover, defender e divulgar este produto que é singular”, salientou.

Com um volume de negócios que ronda os 1,8 milhões de euros/ano, mesmo em tempos de crise, este jovem director reiterou a confiança que mantem nos produtos endógenos desta região quando, afirmou, a sua empresa está numa fase de acentuado crescimento e de expansão que obrigou mesmo à construção de uma nova unidade de produção.

“Hoje foi a prova provada de que, quando aliamos um produto de excelência aos saberes e à mestria culinária, podemos esperar um casamento perfeito, um casamento feliz. Temos é que, é meu entendimento, incentivar este tipo de estruturas e apoiar este tipo de eventos como o que a Casa da Ínsua e o Grupo Visabeira nos ajudaram a descobrir”, disse.

2

No evento foi ainda possível encontrar muitos dos autarcas desta região que assim se quiseram associar a esta causa comum, bem como várias personalidades com responsabilidades na definição das políticas nacionais: José Junqueiro e Acácio Pinto, deputados eleitos pelo círculo eleitoral do Partido Socialista (PS) e o Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Cesário, marcaram presença.

Durante a tarde de sábado, a Casa da Ínsua, apenas um de entre os produtores certificados a nível nacional de Queijo Serra da Estrela, foi ainda palco de um painel de debate subordinado ao tema “Como revalorizar o Queijo Serra da Estrela”, que contou com a presença de representantes do sector e outros especialistas e de onde saiu a promessa de Francisco Carvalho, Presidente da Câmara de Penalva do Castelo, de reavaliar o seu compromisso de construir de uma queijaria comunitária substituindo-a pela construção e entrada em funcionamento de câmaras de cura abertas aos pequenos produtores do concelho.

prato

Ao cair do pano, uma sessão de prova-cega de Queijo Serra da Estrela promovida pelos produtores locais encerrou um dia em cheio. O Queijo Serra da Estrela foi grande, muito grande e uma grande salva de palmas recompensou o esforço.

6

3

7

 

Nasceu na Covilhã. Licenciado em Comunicação Social pela Escola Superior de Educação de Viseu, ocupa parte do seu tempo nas áreas ligadas às novas TIC's.

Pub