Falta de transportes de doentes no distrito de Viseu: BE questiona o Governo

por Rua Direita | 2018.12.20 - 10:02

Assunto: Serviços de transporte de doentes não realizados no distrito de Viseu.

Destinatário: Ministério da Saúde

Exmo. Senhor Presidente da Assembleia da República

 

No final do passado mês de setembro, o pai de uma criança de 9 anos com um diagnóstico de problemas cardíacos e neurológicos teve que, na sua viatura pessoal, transportar de urgência a filha para a pediatria de Viseu a partir da urgência de Tondela já que não haviam ambulâncias disponíveis para assegurar o transporte.

O médico que observou a criança nas urgências do Hospital de Tondela, decidiu transferi-la para Viseu e segundo a imprensa local, o próprio médico informou que “não se poderia requisitar transporte de ambulância, porque as corporações de bombeiros estão a recusar-se a assegurar o serviço” e assim teria que ser o pai a transportar a criança para a pediatria do Hospital de Viseu.

Segundo o próprio INEM, esta situação é recorrente porque o Centro Hospitalar Tondela-Viseu tem dívidas com os bombeiros e estes têm recusado o transporte de doentes entre hospitais enquanto não forem liquidadas algumas faturas em atraso.

Dois dias depois, a situação voltou a acontecer, tendo o pai que acudir, de novo, às urgências do Hospital de Tondela havendo uma necessidade de transferência para a pediatria de Viseu. De novo não havia transporte disponível.

Já em outubro, um homem de mediana idade entrou na urgência do Hospital de Tondela com um quadro clínico muito grave, o médico de serviço determinou o transporte imediato para o Hospital de Viseu, mas das 11 corporações de bombeiros mais próximos de Tondela todas se recusaram a fazer o transporte do doente.

As corporações de bombeiros que têm recusado fazer o transporte de doentes do Hospital de Tondela para outras Unidades Hospitalares da Região Centro nomeadamente para o Hospital de Viseu e para o Hospital Universitário de Coimbra, dizem que não fazem por causa das dívidas existentes, por exemplo a corporação de bombeiros de Tondela tem a receber mais de 30 mil euros do Centro Hospitalar Tondela-Viseu e mais de 120 mil euros do HUC. Os bombeiros de Viseu queixam-se de uma dívida do Hospital de Viseu de superior a 22 mil euros. Os bombeiros de Penalva do Castelo dizem que existe uma dívida de 80 mil euros, sendo que a maior parte é do Hospital de Coimbra.

Na opinião do Bloco de Esquerda esta é uma situação que requer uma resolução célere de forma a que sejam prestados os melhores cuidados de saúde aos utentes.

Atendendo ao exposto, e ao abrigo das disposições constitucionais e regimentais aplicáveis, o Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda vem por este meio dirigir ao Governo, através do Ministério da Saúde, as seguintes perguntas:

1.      Tem o Governo conhecimento desta situação?

2.      Está disposto o Governo a intervir junto dos hospitais das áreas em questão de forma a resolver as dívidas para com os bombeiros?
Palácio de São Bento, 29 de novembro de 2018.

 

O deputado

  Moisés Ferreira

Projecto na área da comunicação social digital, 24 horas por dia e 7 dias por semana dedicado ao distrito de Viseu

Pub