DORV DO PCP ANALISA RESULTADOS ELEITORAIS E DEFINE TAREFAS IMEDIATAS

por Rua Direita | 2015.10.13 - 20:13

 

 

A DORV do PCP, reunida em 10 de Outubro de 2015, analisou os resultados das eleições legislativas, com particular incidência os referentes ao Distrito, balizou o quadro político, económico e social com que os trabalhadores e o povo estão confrontados, bem como o desenvolvimento da luta de massas. Definiu linhas essenciais de iniciativa política e medidas para o reforço orgânico do Partido, potenciadas pelos resultados eleitorais e as exigências de acção que se colocam para o futuro. Discutiu ainda as eleições presidenciais de Janeiro de 2016 e as tarefas para apoio ao candidato Edgar Silva, apresentado pelo PCP.

A CDU desenvolveu no Distrito uma mobilizadora, criativa e participada campanha eleitoral assente no contacto directo com as populações e os trabalhadores, com instituições e organizações sociais, ouvindo e levando até eles as nossas propostas amadurecidas e inovadoras para a construção de um Distrito com futuro. A campanha da CDU no Distrito assentou no esclarecimento e mobilização diários envolvendo mais de duzentas acções. Uma campanha baseada na verdade e na seriedade, com propostas próprias para a ruptura com a política de direita. Editando documentos e realizando acções específicas, sobre a defesa da produção local, do Mundo Rural e da Agricultura Familiar, pela abolição das portagens, contra o encerramento dos serviços públicos, por melhores acessibilidades rodoviárias e ferroviárias, por uma escola pública de qualidade, pelos direitos da juventude, por políticas de igualdade que respeitem os direitos das mulheres na lei e na vida. Uma campanha marcada por um quadro mediático globalmente discriminatório, em flagrante contraste com a promoção dedicada a outros, apostando no descarado favorecimento da bipolarização.

A DORV salienta e sublinha como aspectos marcantes das eleições legislativas realizadas em 4 de Outubro: o significativo progresso eleitoral da CDU no Distrito, traduzido em mais 852 votos e uma percentagem de 3,5%, culminando um quadro de subida continua já verificado nas eleições para as Autarquias Locais e para o Parlamento Europeu, tendo alcançado o melhor resultado dos últimos trinta anos, sublinhado com a significativa vitória na Freguesia de Avões, no Concelho de Lamego.

Este resultado expressivo confirma o apoio crescente da população do Distrito às propostas e soluções da CDU e é o reconhecimento do muito trabalho realizado quer pelo Grupo Parlamentar do PCP na Assembleia da República, em visitas, apresentação de projectos-lei (PSA Peugeot-Citroen, Indeminizações aos ex-Mineiros da ENU, Indemnizações aos Agricultores por ataques dos lobos, etc.), perguntas e requerimentos, quer pelos eleitos autárquicos e pelas organizações locais do PCP, na sua luta permanente pela melhoria das condições de vida e pelo desenvolvimento da região.

A CDU sobe em votos em 22 e em percentagem em 23 dos 24 concelhos, sendo de destacar as significativas subidas em Sátão (46%), Moimenta da Beira (44%), Lamego (24%), Nelas (21%) e Viseu (19%).

O resultado da coligação PSD/CDS no Distrito, com a perda de 25.826 votos e 21% de massa eleitoral, independentemente da condição de força política mais votada, expressa uma clara condenação à política de desinvestimento, empobrecimento e aprofundamento do atraso do Distrito nestes últimos quatro anos, traduzida no facto da coligação ter obtido menos votos em 2015 do que o PSD sozinho em 2011.

A subida residual do PS no Distrito, 2.436 votos e 4,5% de massa eleitoral, traduz o clima de intriga, divisão e falta de propostas alternativas para resolver os problemas do Distrito e do País com que este se apresentou ao eleitorado.

O resultado eleitoral do BE, que à semelhança do País também em Viseu mais que duplicou a sua votação, traduz a confluência de motivações diversas que o actual quadro favoreceu, tendo beneficiado de uma activa campanha de promoção na generalidade dos órgãos de comunicação social locais e nacionais, sem contudo ter alcançado aqui o número de votos de 2009.

Na sua reunião, a DORV analisou igualmente a maior disponibilidade dos activistas e amigos da CDU no processo de fiscalização eleitoral, tendo concluído que, apesar desse empenhamento, numa grande parte das mesas do Distrito as eleições não decorreram com fiscalização plural, de acordo com o estipulado na lei eleitoral. Um pouco por todo o lado, multiplicam-se as irregularidades, confirmadas na Assembleia de Apuramento Distrital, onde a falta de actas, a anulação de votos da CDU validamente expressos, a mistura de votos nulos e válidos, são algumas das situações detectadas. A CDU lembra, que no Concelho de Penedono nem sequer foram convocadas as obrigatórias reuniões com os representantes das forças políticas para escolha das mesas, o que motivou uma queixa da CDU e a intervenção da Comissão Nacional de Eleições. Naquele Concelho, a Câmara tem como prática nomear todas as mesas com pessoas da mesma cor política, afrontando desse modo o princípio da pluralidade.

Embora não tendo eleito nenhum deputado pelo Círculo eleitoral de Viseu, a CDU compromete-se, à semelhança do que fez no passado, a levar os problemas do Distrito à Assembleia da República, lutando consequentemente pela sua resolução.

A DORV saúda os candidatos e activistas, os militantes do PCP, do PEV e independentes, a juventude CDU, que com a sua generosa dedicação fizeram crescer uma sólida confiança de que é possível uma vida melhor e mais digna no Distrito e no País.

A DORV saúda igualmente todos aqueles que confiaram o seu apoio e o seu voto à CDU, em particular às muitas centenas que o fizeram pela primeira vez.

A DORV do PCP decidiu ainda, no balanço das boas perspectivas abertas pela campanha e pelos resultados eleitorais, o reforço da organização do Partido nas empresas e locais de trabalho, a realização, até Abril de 2016, de Assembleias de Organização nos principais concelhos, a conclusão da campanha de contactos e da campanha de recrutamentos, a adopção de medidas que garantam a independência financeira do Partido, atingindo as metas da campanha de fundos “Mais Espaço. Mais Festa. Futuro com Abril”, destinada ao pagamento da Quinta do Cabo, para alargamento da Festa do Avante.

Nestes tempos de injustiça e incerteza, os trabalhadores, a juventude, o povo português e a população do Distrito de Viseu, podem contar com o Partido Comunista Português.

Projecto na área da comunicação social digital, 24 horas por dia e 7 dias por semana dedicado ao distrito de Viseu

Pub