Docente da UC admitido na Real Academia Nacional de Farmácia de Espanha

por Rua Direita | 2017.02.02 - 09:46

Dia 2 de fevereiro, Fernando Ramos, Professor da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra (FFUC), vai tomar posse como Académico Estrangeiro da Real Academia Nacional de Farmácia (RANF) de Espanha, a mais prestigiada Academia de Farmácia no espaço Ibero-americano.

Na cerimónia, que terá lugar, às 19 horas, na sede da RANF (http://www.ranf.com/), em Madrid, Fernando Ramos irá proferir uma conferência sobre Resíduos de Medicamentos nos Alimentos (resumo infra).

Para o docente da Faculdade de Farmácia da UC, «ter o privilégio de ser Académico Estrangeiro numa Academia em que desde a sua fundação (1737) admitiu 12 portugueses nessa qualidade, sendo que apenas dois o são na atualidade, uma vez que os restantes dez já não pertencem ao número dos vivos, constitui, para mim, uma enorme honra».

«Poder dizer que sou membro de uma Academia que acolheu no seu seio os Professores Correia da Silva, Lupi Nogueira ou Maria Irene Noronha da Silveira é algo que jamais imaginaria, esperando vir a estar à altura de tão suprema responsabilidade», afirma Fernando Ramos.

A Real Academia Nacional de Farmácia de Espanha tem como missão incentivar a investigação e o estudo das Ciências Farmacêuticas e afins; assessorar o Governo de Espanha, as autoridades públicas, organismos públicos, agência espanhola de medicamentos, agências científicas e tecnológicas e todas as instituições públicas e privadas que o solicitem, em tudo o que se relaciona com as ciências farmacêuticas e com o medicamento, bem como com a promoção da saúde.

…………………………………………………………..

Resíduos de medicamentos nos alimentos

Fernando Ramos

Os últimos anos têm sido férteis em acontecimentos que envolveram diversos processos de insegurança alimentar, desde os problemas ocasionais de contaminação, até às substâncias empregues na melhoria da produção, tanto de vegetais como de animais. Em Portugal, e no que diz respeito aos animais, permite-se destacar as intoxicações alimentares com clembuterol, os casos dos nitrofuranos em frangos, do cloranfenicol em trutas ou a presença de antibióticos em peixes de aquacultura, só para citar casos amplamente divulgados pela comunicação social.

Se, por um lado, a utilização de medicamentos permite garantir que, em princípio, os animais entram saudáveis na cadeia alimentar, esta prática suscita, por outro lado, um conjunto de preocupações relacionadas com a qualidade e a segurança dos alimentos consumidos. De entre estas preocupações, destacam-se a presença de resíduos dos medicamentos administrados em tecidos edíveis provenientes dos animais tratados, a emergência de resistência bacteriana, nos casos em que são administrados antimicrobianos.

 

Cristina Pinto

AI UC Reitoria

Projecto na área da comunicação social digital, 24 horas por dia e 7 dias por semana dedicado ao distrito de Viseu

Pub