Clube de Viseu vai prestar uma homenagem aos “Os Tubarões”

por Rua Direita | 2013.12.08 - 23:05

Durante quase uma década, os investigadores musicais Edgar Raposo e Luis Futre estiveram envolvidos numa longa pesquisa à qual o público poderá agora ter acesso com a edição do livro PORTUGAL ELÉCTRICO! – Contra Cultura Rock em Portugal 1955-1982. Trata-se do maior levantamento discográfico deste género alguma vez realizado no nosso país e que resulta da necessidade em compilar e proteger a memória de uma cultura musical única e desconhecida.

Com lançamento previsto para o início de Dezembro próximo, o livro é uma antologia visual do Rock´n´Roll português sem precedentes. É a mais extensa e relevante recolha de documentação – grande parte dela inédita – contemplando fotografias, capas de discos e outros documentos que revelam uma parte da história musical portuguesa desconhecida, até agora, pelo grande público.

Na sequência do lançamento desta obra, que inclui três temas originais inéditos gravados em 1966 no Clube de Viseu, esta instituição vai levar a cabo no próximo sábado, 13 de Dezembro, pelas 18h30 uma justa homenagem a esta banda na qual a mesma vai entregar ao Clube de Viseu o arquivo fotográfico da banda no Clube de Viseu.

PORTUGAL ELÉCTRICO! revela o universo do Rock português entre 1955 e 1982, com destaque para as bandas que viviam e atuavam nas ex-colónias Portuguesas, a British invasion, os primeiros concurso de “Yé Yé”, o  psicadelismo dos anos 60, o Rock progressivo, os primeiros festivais de música da década de 70 e o surgimento do punk. “Estamos aqui a revelar uma história obscura da música portuguesa, ao mostrar que havia grande produção musical de  rock n´roll, antes do 25 de Abril. Muita gente acha que as manifestações de rock só começam a existir, de facto, a  partir dos anos 80, com o boom do rock Português, e o nosso trabalho acaba por desmistificar esta ideia, que é absolutamente falsa”, relata Edgar Raposo, uns dos autores do livro.

Para além de centenas de fotografias da cena musical, cartazes, capas de revistas  e outras raridades, são reveladas mais de 500 capas de discos, a cores, de bandas conhecidas como Quarteto 1111, Ecos, Steamers, Daniel Bacelar, Conjunto Mistério e Os Jets, entre outras mais obscuras como Evolução, Os Vodkas, Mechanical Dream e Toni Araújo. Além disso, o livro divulga várias capas de discos de edições feitas em Portugal nas décadas de 50, 60 e 70, de bandas estrangeiras como Rolling Stones, Seeds, Zombies, The Doors, Jimi Hendrix, The Who, entre outras.

“Para além dos nossos próprios acervos pessoais, ao longo destes anos, levámos a cabo uma pesquisa muito extensa que nos levou ao contacto com dezenas de importantes colecionadores de música portuguesa em Portugal e no estrangeiro, que gentilmente partilharam os seus acervos, o que torna esta pesquisa ainda mais especial e diferenciada face a qualquer outro levantamento que se tenha notícia”, conta Luis Futre. Entre eles, estão os inestimáveis materiais dos míticos Joaquim Costa e Victor Gomes, pioneiros do rock Português, nunca expostos publicamente.

Com um design gráfico inspirado no espírito Do It Yourself, que reflete também em grande parte o espírito da própria investigação, realizada sem quaisquer apoios, PORTUGAL ELÉCTRICO! conta com a participação de textos do investigador musical João Carlos Callixto, Afonso Cortez, Luís Piedade, além de Paulo Furtado (Legendary Tiger Man) e Daniel Bacelar.

O livro, que será uma edição bilíngue em português/inglês, através das suas 160 páginas, traça um divisor de águas na História do Rock Português conhecida até então, ao revelar todo este universo perdido e desconhecido.  Um oásis não apenas para colecionadores e aficionados do género, mas para o público em geral, em Portugal e no estrangeiro, onde algumas das bandas nacionais têm mais seguidores do que no seu próprio país.

Projecto na área da comunicação social digital, 24 horas por dia e 7 dias por semana dedicado ao distrito de Viseu

Pub