Candidatura do Bloco Esquerda de Viseu inicia jornadas de campanha com Marisa Matias

por Rua Direita | 2015.09.09 - 09:42

 

Foi longa e profícua a jornada de campanha do Bloco do dia 4 de Setembro. Contando com a presença da Eurodeputada Marisa Matias, desde o início da manhã até aos primeiros minutos do dia 5.

O dia de campanha iniciou-se pelas 10h, com António Minhoto, activista ambiental cujo trabalho se debruça particularmente sobre a região, com uma visita  à mina de Urânio ainda por recuperar da Quinta do Bispo (Mangualde). Aí, diante de uma delegação da Candidatura Distrital do Bloco de Esquerda, António Minhoto, fundador e porta-voz da AZU, fez um resumo das lutas da Associação pela descontaminação dos terrenos e o registo das promessas falhadas e da legislação ignorada por parte do  poder político central e local.
A pausa para almoço ocorreu entre as 12.30 e as 13.45 e constituiu um momento de convívio entre os participantes. Seguiu-se pelas 14h30 uma visita Cultural à Casa do Visconde em Canas de Senhorim, com os  anfitriões, Maria Lira e Francisco Keil do Amaral e com Fernando Giestas e Rafaela Santos, mentores e artistas do projecto Amarelo Silvestre, que visa produzir, promover e divulgar obras das artes cénicas na envolvente regional.
Marisa Matias e António Gil interpelaram os presentes no sentido de compreender melhor as dificuldades com que se debatem indivíduos e grupos que actuam nas áreas da cultura, sobretudo quando actuam em contextos já por si desfavorecidos.
A necessidade de uma política cultural séria, da qual o Estado não se exima como até aqui (reivindica-se, no mínimo, 1% do PIB para a Cultura) e o planeamento e coordenação das actividades culturais num contexto regional foram duas das conclusões do encontro que se realizou ao ar livre.
Seguidamente o Bloco de Esquerda organizou uma sessão Pública na Ribeira da Pantanha, Caldas da Felgueira que contou de novo com a presença e intervenção de António Minhoto, Companhia Águas da Felgueira, bem como da população de Caldas da Felgueira. A luta pela despoluição desta ribeira arrasta-se há oito anos e infelizmente não se vislumbra vontade política de a resolver. A posição da Empresa poluidora, de origem sueca, é insustentável, à luz da legislação europeia, como bem o fizeram notar Marisa Matias e António Minhoto.
Por outro lado, António Gil, cabeça de lista da candidatura do BE, recordou que é dever de cada cidadão lutar por um futuro sustentável, por um legado digno às próximas gerações, sublinhando que os prejuízos desta poluição para o turismo termal, importante para a região, numa lógica economicista, ultrapassam os benefícios dos actuais postos de trabalho assegurados pela empresa poluidora.

Deste contacto com a população, resultaram os compromissos de Marisa Matias, de voltar a levar o assunto às instâncias europeias competentes e o de António Gil, de dar continuidade a um combate político que de há muito o Bloco abraçou pela causa ambiental considerada entre as prioritárias, no distrito, também pelos problemas
de saúde pública que colocam, uma vez que estas águas chegam ao Mondego, com todos os danos inerentes.

Foi já para lá do horário marcado que se encerrou a jornada, nas Termas de São Pedro do Sul com a tertúlia: “Mulheres e Homens: Vidas em comum, mundos separados”, que contou com a participação de Marisa Matias, Manuela Tavares e António Gil. O debate foi aberto por um momento musical, com a actuação de Adriana Gomes, Ana Catarina
Trindade Gonçalo Barros e Renato Fernandes, jovens talentos da região ensaiados por António Alexandrino num projecto que começa a dar frutos de qualidade e moderado pela jornalista Patrícia Fernandes, tendo sido
encerrado pelas vozes das duas jovens do mesmo grupo.
Um público  resiliente, empenhado, militante, esteve presente no Auditório do Balneário Rainha D. Amélia e colocou questões aos intervenientes sobre o tema, depois das intervenções agendadas.

A  adesão das pessoas  ao evento ilustra bem a necessidade de partilha e  reflexão e alternativas às políticas de dominação e  discriminação que continuam a subalternizar o papel  das mulheres no Mundo. Diversas intervenções salientaram  que  que a luta feminista tem no horizonte um objectivo comum a homens e mulheres, a emancipação das pessoas.

Projecto na área da comunicação social digital, 24 horas por dia e 7 dias por semana dedicado ao distrito de Viseu

Pub