Água de Viseu cai três lugares

por Pedro Morgado | 2015.02.10 - 00:57

Entre a antiga cidade de Fernando Ruas, aquela que ganhou em 2012 o prémio de melhor cidade para se viver, e a cidade de António Almeida Henriques, aquela “outra” que conquistou este ano mais um selo de “Qualidade exemplar da água para consumo humano”, há, de facto, um paralelo que pode ser estabelecido: para além de se tratar do mesmo concelho, ambas as distinções agraciaram de forma diferente o trabalho desenvolvido pelas entidades municipais por mais do que uma vez.

Se, anteriormente, a distinção à cidade tinha honras de capa na imprensa nacional, hoje as “boas noticias” só podem ser lidas com a conta da água. Assim tem andado a campanha “Viseu é de primeira água”.

Gizada com o intuito de promover “a confiança e o orgulho dos munícipes na qualidade da água em Viseu” esta campanha evidencia, em primeiro lugar, o reconhecimento que a Entidade Reguladora dos Serviços de Água e Resíduos (ERSAR) sente ser devido ao trabalho desenvolvido em 2013 pelos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Viseu (SMAS), hoje Águas de Viseu.

Mas, afinal, como a Terra para Galileu, a realidade é algo que se move: Viseu nunca esteve sozinho. Durante a cerimónia que se realizou no passado dia 19 de novembro no centro de congressos do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) em Lisboa, os SMAS Viseu foram apenas uma das 74 entidades gestoras a que o júri decidiu atribuir este selo, mais 13 do que no ano passado.

E, para adensar a trama, ninguém por cá ouviu ainda falar do selo de “Qualidade do serviço de abastecimento público de água”, galardão atribuído este ano, pela primeira vez, pela ERSAR, prémio que procura “evidenciar as entidades prestadoras de serviços de abastecimento público de água que, no último ano de avaliação regulatória, entre outros aspetos, tenham revelado cumulativamente todos os critérios previstos no regulamento”. Este, não chegou a vir.

À maneira como a “propaganda” tem tratado este assunto, opõe-se, portanto, a realidade. Se, durante o ano de 2013, ninguém duvida da excelência da água em Viseu, o último relatório da Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR) sobre a qualidade da água, o RASARP 2014, aponta sete outros municípios no distrito de Viseu que têm melhores resultados do que este concelho.

E, a conclusão não podia ser mais clara. No que diz respeito à qualidade da água que sai das torneiras os aplausos vão direitinhos para Santa Comba Dão e para o Carregal do Sal, dois concelhos que, no ano em análise, conseguem um marco de excelência: os 100 por cento de água segura.

Novidade é também a descida de Viseu para o oitavo lugar neste ranking distrital. Depois de em 2012 ter conquistado o quinto lugar, logo depois de Carregal do Sal com 99,70%, Santa Comba Dão (99,66%), Mortágua (99,02%) e Nelas com 99,01% de água segura, nem a melhoria em cerca de 0,20 pontos percentuais foi capaz de travar a queda de três lugares. O ano de 2013 fica assim marcado pela entrada no ranking de Castro Daire (98,86%) e uma fulgurante subida de 11 pontos de São João da Pesqueira (99,18%).

agua

Em contraponto aos números esmagadores pela positiva que ilustram os resultados apresentados pelos 10 primeiros nesta tabela surgem, cerca de três pontos percentuais abaixo, Sernancelhe (96,19%), São Pedro do Sul (95,65%) e Tondela (95,49%).

Os selos de Qualidade exemplar da água para consumo humano inserem-se nos Prémios de Qualidade dos Serviços de Águas e Resíduos, promovidos pelo jornal Água & Ambiente e pela ERSAR, sendo o ano de 2013 o momento que marca o arranque desta iniciativa.

Nasceu na Covilhã. Licenciado em Comunicação Social pela Escola Superior de Educação de Viseu, ocupa parte do seu tempo nas áreas ligadas às novas TIC's.

Pub