A GestinViseu à beira da falência

por Rua Direita | 2013.12.30 - 18:49

 

Uma década depois do nascimento do projecto, o Parque Empresarial do Mundão continua com lotes disponíveis para venda mas a empresa gestora, a GestinViseu – Parques Empresariais de Viseu, S.A., resultante da parceria estabelecida entre a Câmara Municipal de Viseu, a AIRV – Associação Empresarial da Região de Viseu e a Parque | Invest – Sociedade Promotora de Parques Industriais, está à beira de fechar portas.

Esta empresa constituída por escritura pública em 21 de Setembro de 2001 (Conservatória do Registo Comercial de Viseu. Matrícula n. 4531, inscrição n. 1), pertencente ao universo da AEP – Associação Empresarial de Portugal, responsável pela gestão do Parque Industrial do Mundão já em 2009 apresentava um nível baixo de execução da taxa de escrituras de área vendável, reflexo de uma “tendência de decréscimo” (8,68 por cento em 2005, 2,83 em 2006 e 0,49 em 2007).

Em 2007, o Relatório e Contas de Exercício de 2007 a que Rua Direita teve acesso foi aprovado por unanimidade pelo conselho de administração da Gestin Viseu, apesar de na gestão desse ano “resultarem prejuízos nominais de 186.650 euros que acumulam com 108.372 euros de resultados negativos apurados em 2006”.

Cinco anos depois, em finais de 2013, a GestinViseu na qual a CMV tem uma participação como accionista de 456.522 euros (29,086%) e a AIRV de 39%, mantém ainda na sua posse 10 lotes que correspondem a mais de metade da área vendável e nos 14 lotes transaccionados algumas das empresas que os adquiriram não deram sequer início à construção das suas unidades. Com uma gestão ruinosa que conduziu a empresa à “perda de mais de metade do capital” e de acordo com os dados obtidos pela Rua Direita, apresenta um passivo registado em 2012 de -542.420,40€, o que significa que está ao abrigo do Art.º 35.º do Código das Sociedades Comerciais, ou o mesmo é dizer, em situação de insolvência. De acordo com a legislação a administração deveria convocar de imediato a assembleia geral, a fim de nela se informarem os sócios da situação e de estes tomarem as medidas necessárias.

Na última Assembleia Municipal o Presidente da CMV, Almeida Henriques afirmou que “o Executivo Municipal não se revê no actual quadro de gestão do Parque Empresarial do Mundão”, tendo “nestes dois meses avançado numa negociação com os restantes accionistas para encontrarmos uma solução favorável ao Município” e que “passará pelo estabelecimento de um acordo quer permita a saída da Câmara Municipal de uma Sociedade moribunda para a qual não tem vocação e, ao mesmo tempo, a colocação a preços competitivos de lotes sem ocupação económica real”.

Enquanto isso não acontece o actual executivo mantém na administração da GestinViseu a ex-vereadora Ana Paula Santana, que e de acordo com a informação conhecida, continua a poder beneficiar das senhas de 250 euros por reunião da Administração, da qual faz também parte João Cotta da AIRV, além do representante da AEP.

 

 

Projecto na área da comunicação social digital, 24 horas por dia e 7 dias por semana dedicado ao distrito de Viseu

Pub