A Fundação da Caixa Agrícola do Vale do Távora e Douro premiou projectos sociais criativos e inovadores

por Rua Direita | 2019.06.29 - 07:18

Para comemorar o Dia da Fundação que tem como presidente Hélder Lopes, decorreu no Auditório Municipal, em Sernancelhe a cerimónia de entrega de prémios no montante global de 30 mil euros a três instituições que apresentaram projectos sociais e criativos na região.

Destinado este ano a IPSS’s, concorreram 16 instituições da região, que compreende os concelhos de Tabuaço, Armamar, Sernancelhe, Aguiar da Beira, Penedono, Trancoso e Moimenta da Beira.

A Fundação da Caixa Agrícola pretende com esta acção dar a conhecer às várias instituições da região os seus projectos e as suas acções, denotando desta forma a sua vertente de grande responsabilidade e solidariedade social, na qual se enquadra este programa, que visa apoiar as instituições da região na execução e implementação dos seus projectos e ideias e, simultaneamente, contribuir para a melhoria da qualidade devida e bem-estar dos seus utentes.

Do total dos projectos apresentados, foram premiados três, sendo que ao primeiro lugar será atribuído um prémio no valor de 15.000,00€, ao segundo 10.000,00€, e ao terceiro 5.000,00€.

Um apoio a atribuir em parceria com a Caixa de Crédito Agrícola Mútuo do Vale do Távora e Douro, a sua instituidora, e que poderá concretizar-se ainda através da abertura de uma linha de crédito, protocolada para o efeito, destinada a financiar o diferencial entre o montante global do projecto e o montante do apoio concedido pela Fundação, tendo assim as condições devidamente pré-definidas, e estando sujeita à competente análise de risco.

Com esta iniciativa a Fundação da Caixa Agrícola do Vale do Távora e Douro vem reforçar a sua posição como uma das mais importantes e atentas instituições de solidariedade social da região, constituída a 9 de Agosto de 2011, e cujas acções pautaram-se desde sempre pelos princípios da inclusão, integração e responsabilidade social, combate à desigualdade, direito à saúde e direito ao conhecimento.

Na presença de vários autarcas das referidas regiões e quadros da CCAM, Carlos Silva Santiago, presidente da autarquia de Sernancelhe, juntamente com Hélder Lopes, vereador da autarquia e presidente da Fundação e Francisco Rebelo, presidente do conselho de administração da CCAM do Vale do Távora e Douro, fizeram a entrega dos referidos prémios.

A RD ouviu Hélder Lopes, presidente da Fundação:

Em que consiste a Fundação da CCA do Vale do Távora e Douro?

A Fundação da Caixa Agrícola do Vale do Távora e Douro é uma Fundação de solidariedade Social instituída pela Caixa Agrícola Mútuo do Vale do Távora e Douro. O Âmbito de actuação da Fundação compreende os concelhos de Tabuaço, Penedono, Trancoso, Sernancelhe, Aguiar da Beira, Armamar e Moimenta da Beira, áreas geográficas de acção da Caixa Agrícola Mútuo do Vale do Távora e Douro.

Quais os seus objetivos?

Desde a sua génese, a Fundação da Caixa Agrícola do Vale do Távora e Douro procurou dar resposta aos problemas e necessidades da população dos concelhos em que actua, através da atribuição de bolsas de estudo aos jovens carenciados da região, de programas de combate ao isolamento na terceira idade e de acções de sensibilização da comunidade em geral para determinadas problemáticas.

Nas suas acções, a Fundação da Caixa Agrícola do Vale do Távora e Douro pautou-se sempre pelos princípios, de inclusão, integração e responsabilidade social, de Combate à desigualdade, de Direito à saúde e de Direito ao conhecimento.

Promovendo e apoiando, para tal, acções com vista à divulgação da cultura, educação, reforço do respeito na comunidade e estímulo da auto-estima, e através de cuidados de saúde essenciais ao conforto e qualidade de vida dos cidadãos em situação de maior vulnerabilidade.

Actualmente, a Fundação da Caixa Agrícola do Vale do Távora e Douro está focada em dois grandes procjetos centrais, de grande solidariedade e responsabilidade social, nomeadamente, o Projecto Aldeias Humanitar que visa a prestação de cuidados de saúde e sociais no domicílio dos cidadãos que vivem em situação de isolamento ou vulnerabilidade, a quem este apoio é prestado de forma inteiramente gratuita, e em que se pretende acima de tudo que estas pessoas possam ser cuidadas no seu lar e junto das suas famílias.

E, em segundo, o Programa de Apoio a Instituições Particulares de Solidariedade Social que foi criado com o objectivo de apoiar as instituições da região na implementação dos seus projectos, procurando assim apoiar os projectos mais criativos e inovadores, mediante a atribuição de uma comparticipação financeira, aliada a uma linha de credito com condições especiais, e que visa simultaneamente, melhorar a qualidade de vida e o bem-estar dos utentes destas instituições.

Quando foi criada?

A Fundação da Caixa Agrícola do Vale do Távora e Douro, constituída a 9 de Agosto de 2011.

Qual a sua dotação orçamental anual?

A dotação orçamental para o ano de 2019 é de 56.400.00€

Que critérios para definir quem são os usufrutuários dos apoios a conceder?

A principal preocupação da Fundação da Caixa Agrícola do Vale do Távora e Douro, é estar próxima de quem mais precisa, pois entendo que temos o dever de dar resposta às necessidades da população que vive em situação de fragilidade ou vulnerabilidade, sobretudo por todo o contexto e pelo meio em que nos encontramos inseridos, marcado pelo envelhecimento acentuado da população, pelas baixas taxas de natalidade e pela desertificação desta região.

Desta forma, e desde sua génese, a Fundação da Caixa Agrícola tem vindo a apostar em acções, fundamentalmente, de cariz social, focadas nos mais jovens e na população mais envelhecida, que se encontra numa situação de maior fragilidade.

 Neste caso específico do programa de Apoio a IPSSs as candidaturas foram avaliadas por um júri composto por cinco elementos e com base nos seguintes critérios:

  1. Carácter inovador do projecto;
  2. Relevância do projecto;
  3. Consistência do projecto;
  4. Impacto do projecto;
  5. Sustentabilidade do projecto;

A cada um destes critérios o júri atribuiu, individualmente, uma pontuação numa escala de 1 a 5, de forma a atingir-se uma classificação final que resultou da soma da pontuação atribuída por cada elemento do júri aos respectivos critérios de avaliação.

Este ano foram as IPSS’s as entidades seleccionadas. A resposta cumpriu os objetivos da Fundação ou ficou aquém das expectativas?

Este programa é específico para IPSSs ou entidades de âmbito social. Estas entidades representam aquilo que de mais compassivo e humano existe na nossa sociedade, estas instituições trabalham com vidas humanas 24 horas por dia 365 dias por ano, muitas delas com grandes dificuldades financeiras e outras carências, mas existe sempre o carinho e o amparo que os seus utentes necessitam. Penso que os objectivos foram atingidos tivemos a apresentação de 16 projectos, todos bastante interessantes que revelam acima de tudo as necessidades ainda estruturais destas instituições. O carácter de inovação que pretendemos como objectivo deste programa, tenho a certeza que será uma realidade em próximas edições. No entanto, acredito que na segunda edição deste programa, a adesão ou participação por parte das várias instituições aumentará significativamente, uma vez que esta edição, que funciona aqui quase como um projecto-piloto, permitirá às restantes instituições acompanhar o desenvolvimento dos projectos apresentados pelas instituições vencedoras, o que acabará por denotar a importância deste apoio para o desenvolvimento das instituições, mas também da região.

Já têm público-alvo para 2020?

Sim, dentro a área de abrangência da fundação o Programa de Apoio ás IPSSs é um projecto a manter em 2020 pois pretende desafiar e estimular às várias instituições da região a apresentar ideias que sejam inovadoras e criativas, e que contribuam directa ou indirectamente para a melhoria da qualidade de vida e bem-estar dos seus utentes. Manteremos também o apoio ao Projecto Aldeias Humanitar, um projecto inovador e pioneiro que contribuirá para criar condições e estabelecer parcerias que permitirão ir ao encontro das pessoas em situação de isolamento e desamparo social, de forma inteiramente gratuita para os seus utentes. As respostas criadas, serão da área da saúde e do social, permitindo um trabalho de proximidade, integração e humanização. Entre outras acções e projectos a realizar.

O desafio é a qualidade de vida, num contexto de acompanhamento contínuo, em que se pretende acima de tudo preservar o vínculo familiar e promover a dignidade humana.

Que mensagem final quer deixar?

Gostaria de deixar uma perspectiva estratégica que se pretende levar a cabo na Fundação da Caixa Agrícola do Vale do Távora e Douro.

A Fundação da Caixa Agrícola do Vale do Távora e Douro deve ser uma instituição de referência na área social, nomeadamente, no apoio a pessoas idosas, crianças, pessoas em situação de vulnerabilidade física e económica, ou pessoas portadoras de deficiência. Pretendemos estabelecer parcerias com outras entidades ou instituições, tendo em vista o desenvolvimento da economia local e a melhoria da qualidade de vida e do bem-estar dos cidadãos da região.

Queremos sensibilizar a comunidade em geral para determinadas problemáticas.

 Pretendemos promover, desenvolver e integrar projectos de investigação e desenvolvimento nas suas áreas de actuação.

É importante dinamizar uma adequada política de comunicação, aumentando a divulgação e o conhecimento público das iniciativas realizadas,

Estamos aqui para apoiar projectos relevantes de intervenção e solidariedade social.  Transformamos vidas.

Projecto na área da comunicação social digital, 24 horas por dia e 7 dias por semana dedicado ao distrito de Viseu

Pub