Viver em democracia ou em ditadura?

por Eme João | 2014.09.30 - 10:49

Assisti ontem ao programa de debates da RTP sobre a situação política actual e a conjuntura político-partidária que resulta da vitória de António Costa nas Primárias do PS.

Mas este programa ainda antes de começar, já não estava a correr muito bem. A plateia era composta por movimentos de cidadãos, pequenos partidos e partidos que ainda não o são e cidadãos independentes.

Para o palco foram convidados representantes dos partidos com assento parlamentar, excepto o PCP.

Esta situação lamentável foi posteriormente corrigida tendo sido então convidado o deputado João Oliveira representando o PCP.

Na primeira parte, praticamente nem o PCP nem o Bloco de esquerda tiveram direito à palavra. Na segunda parte, foi mais do mesmo.

Falou-se basicamente do afastamento dos cidadãos em relação à política que seria um tema interessante, se realmente tivesse sido debatido num programa isento.

Não querendo alongar-me mais sobre isto, vamos ao que interessa: o porquê do afastamento dos cidadãos da vida política.

A velha frase de “são todos iguais”, “ não adianta votar”, e outras do mesmo género que costumamos ouvir por aí, espelham basicamente o motivo de toda esta enorme crise. Que não é apenas económica. As frases que referi mostram a mediocridade de ideias ou ausência delas que por aí andam.

Os que têm ideias e que realmente querem debatê-las, ou são “silenciados” ou ignorados.

Muitas vezes pergunto às pessoas que passam a vida a falar mal dos deputados (e falam mal de todos) se preferiam viver numa ditadura. Dizem logo que não isso era um horror.

Bem, eu só conheço dois tipos de regime, o democrático e as ditaduras. Sendo que os estados de direito democráticos têm separação de poderes, o legislativo, directa e democraticamente eleito e representante do povo (assembleia da república), o executivo que executa as leis formuladas pelo legislativo (o governo) e o judicial, representado pelos tribunais.

Se muitos não querem (ou nem sabem o que querem) que haja deputados, portanto não querem viver em democracia mas dizem logo que ditadura também não resta-me concluir talvez conheçam outro regime e estejam a criar suspense.

 

Nasceu em Lisboa em 31/10/1966. Estudou psicologia no Ispa. Trabalha actualmente no ISS.

Pub