VIVA A CRECHE!

por José Carreira | 2019.02.15 - 18:47

 

Uma rápida consulta à Wikipédia permite-nos obter uma breve definição da resposta social Creche: “Uma creche é um estabelecimento educativo que ministra apoio pedagógico e cuidados às crianças com idade até três anos de idade. Conforme o país e o seu sistema educativo, a creche pode integrar-se na educação pré-escolar ou na educação infantil.”

De acordo com o Manual de Processos-Chave da Creche [1], editado pelo Instituto da Segurança Social, IP, “A Creche constitui uma das primeiras experiências da criança num sistema organizado, exterior ao seu círculo familiar, onde irá ser integrada e no qual se pretende que venha a desenvolver determinadas competências e capacidades.”

Segundo um estudo recente – Early childcare type predicts children’s emotional and behavioural trajectories into middle childhood. Data from the EDEN mother–child cohort study |2] – as crianças que beneficiaram de uma resposta social coletiva do tipo creche denotam menos problemas emocionais e relacionais durante os seus primeiros anos de frequência da escolaridade obrigatória.

O estudo permitiu aos investigadores analisar mais de 1400 crianças, desde a data do seu nascimento até à idade de 8 anos. A análise efetuada permitiu observar uma correlação entre a frequência de uma resposta social, que permite a interação da criança com os seus pares, e uma personalidade mais calma e empática. As crianças que frequentaram, pelo menos um ano, uma creche apresentam-se mais equilibradas do que aquelas que foram cuidadas por uma ama ou no seio da sua família.

Se for trabalhada precocemente a socialização, o valor da partilha e o respeito pelas regras, poder-se-á potenciar o desenvolvimento das competências psicossociais das crianças, facilitando-lhes a adaptação aquando da entrada no ensino pré-escolar e básico.

Num país como Portugal em que assistimos a um acelerado envelhecimento demográfico – nascem cada vez menos crianças e a esperança de vida tem vindo a aumentar – fará todo o sentido criarem-se políticas de apoio à natalidade.

Uma das medidas deverá passar pelo aumento da capacidade instalada da resposta social creche e também pelo reforço dos apoios às famílias que por ela optem, dando especial atenção às de menores rendimentos para que não desistam de ter filhos pela incapacidade de encontrarem uma resposta de qualidade e acessível, tendo em linha de conta o orçamento exíguo de que dispõem.

[1] http://www.seg-social.pt/documents/10152/13673/gqrs_creche_processos-chave/5336ef3a-bbae-4297-a12d-de678dfeb347
[2] http://press.psprings.co.uk/jech/september/jech210393.pdf