Uns serão sempre mais Charlie…

por Eme João | 2015.01.09 - 16:44

A frase que mais se ouve na Europa é “Je suis Charlie”. O tiroteio em Paris que tirou a vida a doze pessoas, chocou o mundo. Apesar dos noticiários nos bombardearem com a caça aos suspeitos, que a polícia soube logo quem eram e neste momento já os terem cercado e sabermos também que foi um atentado terrorista executado por fundamentalistas islâmicos, mas que ninguém reivindicou, o que sabemos mesmo é que doze pessoas perderam a vida.

O que sabemos e nos choca, para além destas mortes, é assistirmos à hipocrisia e oportunismo de alguns “charlies”, que nunca o foram, virem agora indignar-se e em nome da defesa da liberdade de expressão, começarem a criar o ódio e a promover a xenofobia.

Portanto, nem todos são “charlie”. Nunca o foram e nunca o serão.

Mudando de assunto, aparentemente, todos já percebemos que está um frio de rachar na região de Lisboa. Mas temos uma coisa boa. Temos um vereador que logo após a bondade das épocas festivas ter partido, e sabendo que o tempo um dia vai melhorar, suspendeu o abrigo improvisado no pavilhão do Casal Vistoso, para pessoas sem abrigo. Mas pelos vistos ainda ninguém morreu de frio, felizmente.

Outra coisa boa, é que já não morrem crianças com fome neste mundo nem pessoas nas urgências dos hospitais portugueses, após horas de espera para serem devidamente diagnosticadas e medicadas.

Neste mundo, em que todos são “charlies”, uns serão sempre mais “charlies” que outros. E tal como os bancos, também nos charlies, temos os bons e os maus. Os bons, os que lutam pela liberdade e pela construção de uma sociedade justa onde todos tenham direito a viver com dignidade, e os maus. Os que mesmo sem tiros, vão matando lentamente, vão roubando direitos, vão destruindo tudo impunemente.

Para terminar, desejo-vos um bom ano novo e que seja efectivamente novo.

Nasceu em Lisboa em 31/10/1966. Estudou psicologia no Ispa. Trabalha actualmente no ISS.

Pub