Uma Autoridade Tributária salafrária e cúmplice dos milionários?

por Paulo Neto | 2017.02.22 - 13:48

 

 

Esta é a pergunta à qual o “fisco” deve responder urgentissimamente, na pessoa da Inspeção Geral de Finanças e dos secretários de Estado responsáveis da pasta.

Como é possível terem 10 mil milhões de euros “fugido” sem taxação para off shores fiscais, no tempo de Paulo Núncio e Rocha Andrade?

Mariana Mortágua, a deputada do BE afirma até serem 28 mil milhões.

De quem são? Dos detentores das incontáveis grandes fortunas portuguesas que, e no tempo do governo Coelho & Portas se cevaram incomensuravelmente numa política de maré..

O Banco de Portugal diz que avisou quem devia. Mas ninguém agiu. Porquê? Que desculpas esfarrapadas terá para dar, por exemplo, o director-geral dos impostos sobre o assunto?

A afinada máquina persecutória e saqueadora do “fisco” só não funciona para os ricos?

Se isto não é discriminação, se não é um violento crime de fraude fiscal interna, no mínimo será negligência, incúria, compadrio, amiguismo…

Se o esperávamos do governo anterior, ficamos espantados por este governo agir da mesma forma, encobrindo “roubos” ou fugas fiscais brutais de alguns, para serem as consequências pagas pelo Zé Tuga que já não tem furos no cinto para o apertar ainda mais.

Há uma benevolência crónica do fisco para com as grandes fortunas que é o exacto oposto da actuação que tem, discricionária e autocrática com as PME’s e com o contribuinte cidadão comum.

Enquanto não começarem a ser imputadas culpas e a encher as prisões com estes salafrários, não vivemos num estado de direito e democrático.

O presidente da República, afirmou hoje que a denúncia de que houve cerca de 10 mil milhões de euros em transferências realizadas para offshores entre 2011 e 2014 que escaparam ao controlo do fisco é “uma situação que naturalmente merece ser investigada”.

Senhor presidente, já andamos todos fartos de investigações que só servem para o show off parlamentar e que caem logo de seguida em “saco rôto”.

Provavelmente, é chegada a hora de ouvir e provavelmente deter os responsáveis por esta imoral situação.

Paulo Núncio, por sua vez, hoje já veio, tal imaculada virgem, dizer que não sabe de nada. Era de esperar outra coisa? Então que diga quem sabe e tenha coragem de apontar o dedo aos responsáveis… E o que diz Rocha Andrade?

 

https://www.dinheirovivo.pt/economia/752144/