UM OBRIGADO À CMV E À ESEV (IPV)

por José Carreira | 2015.05.21 - 11:02

 

Byung-Chul Han, filósofo coreano, há muitos anos radicado na Alemanha, no seu livro “A Sociedade do Cansaço”, fala da “violência neuronal”. Refere  que cada época tem as suas doenças e caracteriza a entrada no século XXI  pelo princípio neuronal que terá ultrapassado os princípios bacteriano e viral.

“Determinadas doenças neuronais, tais como a depressão, o transtorno por défice de atenção e hiperatividade (TDAH) ou certas perturbações de personalidade borderline (TPB) ou síndroma de burnout (SB) – descrevem o panorama patológico do início do século XXI.”

Considerando o princípio neuronal, recordo que a doença de Alzheimer já foi catalogada, em função da sua prevalência e incidência, o “Tsunami do Século XXI”.

Em poucos anos todos os recursos serão poucos para optimizar a  resposta a dar aos desafios que se colocarão ao nível dos cuidados a prestar às pessoas com Alzheimer  e às suas famílias.

Em Viseu, foi dado mais um passo na direção certa, no sentido da construção de uma comunidade amiga das pessoas afetadas pela doença do “esquecimento”.

Foi assinado um protocolo que permitirá abrir, no próximo sábado, 23 de maio, o Café Memória em Viseu, na Biblioteca Municipal, com o objetivo de proporcionar um local de encontro para a partilha de experiências e suporte mútuo a pessoas com problemas de memória ou demência, seus familiares e cuidadores.

A viabilidade do projeto resulta da articulação e do trabalho em rede de três entidades locais: Obras Sociais, Câmara Municipal de Viseu e Escola Superior de Educação de Viseu.

Um dia feliz, em que me senti muito orgulhoso em ser Viseense.

Viseu é, cada vez mais, uma cidade inclusiva que se preocupa com todas as pessoas.

Estou muito grato à Câmara Municipal de Viseu e à Escola Superior de Educação de Viseu por, conjuntamente com as Obras Sociais, contribuírem para o combate ao estigma e  para a desejável normalização da vida da pessoa com demência.

Foi dado mais um passo importante no sentido do Envelhecimento Ativo que, como defende a Organização Mundial de Saúde, consiste em  otimizar oportunidades de saúde, segurança e participação.

Bem-hajam!