Responda aos viseenses, senhor primeiro-ministro!

por Acácio Pinto | 2014.03.24 - 10:51

O PSD “brindou” Viseu com as suas jornadas parlamentares fazendo deslocar para a nossa região, durante dois dias, todo o seu “estado maior”, deputados e governantes.

Mas estas jornadas acontecem numa altura em que estão anunciados novos cortes para os trabalhadores, para a administração pública, para os reformados e para os pensionistas. São cortes que ocorrerão em 2014 e mais quase dois mil milhões de euros de cortes para 2015.

Assim sendo, importante seria que o PSD explicasse em Viseu para onde nos quer empurrar. Que, mais, maldades quer o PSD fazer a um povo que está exausto e a um distrito que está completamente votado ao abandono.

Um distrito que o PSD sempre marginalizou e que este governo continua a marginalizar. Um distrito que só é de “primeira” no que ao encerramento de serviços concerne, com especial destaque para os tribunais e para as repartições de finanças.

Mas também um distrito que, como já se percebeu, está, por este governo, condenado a não ter a ligação Viseu-Coimbra, nem qualquer outra acessibilidade, a não ter centro oncológico, apesar de todos os estudos o evidenciarem, a não ter qualquer investimento. Um distrito em que o comboio só é prioridade nos discursos de salão e nas palavras de circunstância dos agentes políticos afetos à maioria.

Quanto às políticas sociais recuaram, porque as diferentes instituições foram, segundo a terminologia de Carlos Moedas, “esmifradas” dos seus meios financeiros. Podem “aumentar” os lugares para utentes nas instituições sociais, mas não há comparticipações, nem novos acordos seja pela saúde, seja pela segurança social. Uma vergonha que está a deixar muitas instituições à beira do colapso.

O desemprego, como se sabe, aumentou em todo o distrito e daqui, para tentarem uma oportunidade além fronteira, têm partido milhares e milhares de pessoas que se juntam aos cerca de cem mil portugueses que emigraram em 2013. Um distrito que bate o triste recorde de ser aquele onde mais idosos vivem em isolamento.

Mas também um distrito com fortes restrições na saúde, educação, cultura e ciência. Em que a política de empobrecimento atinge também fortemente os agricultores, os operários, os funcionários públicos.

Ou seja, para um primeiro-ministro que tudo prometeu e fez o seu contrário, que aumentou a dívida de 94 par 130% do PIB, seria bom que explicasse ao distrito de Viseu, que explicasse aos viseenses em nome de que interesses é que se move, em nome de qual consenso é que fala!

Deputado do Partido Socialista (PS) na XII Legislatura eleito pelo Círculo Eleitoral de Viseu

Pub