Resgatem-se cidadãos honestos e não banqueiros

por Alberto Neves | 2015.10.27 - 10:15

 

 

Enquanto assistimos a uma alegada manipulação das contas do nosso Estado, o representante do Banco Central da Islândia, Gylfi Zoega, diz que Governo português deve ser investigado face ao elevado endividamento do Estado e bancos portugueses.

A Islândia, na sequência da grave crise económica que sofre desde 2008, derivada do colapso do seu sistema financeiro (que chegou a ser 10 vezes maior que o P.I.B.), também teve de recorrer ao Fundo Monetário Internacional para resolver os seus problemas de financiamento, mas devido a responsabilização e coordenação política, garantiu-se que as medidas tivessem os efeitos desejados junto dos pequenos clientes de retalho bancário lesados e contribuintes.

Em 2012, o ex-Secretário do Ministro das Finanças da Islândia, Baldur Guolaugsson já tinha sido condenado a 2 anos de prisão, por abuso de informação  e até á presente data o sistema judicial da Islândia condenou a penas de prisão, 26 banqueiros e diretores de Bancos do país, considerados culpados pela crise financeira de 2008, designadamente por delitos relacionados com a crise. Onze ex-banqueiros foram condenados a penas de prisão até 6 anos de 4 anos ou mais, por manipulação extensiva do mercado, peculato e violação dos deveres fiduciários. E há ainda outros banqueiros e investidores à espera de sentença.[1]

Enquanto isso, por cá, de acordo com o Ministério Público, o ex-presidente do Banco Espírito Santo, Ricardo Salgado, vê as suas medidas de coação alteradas, podendo ficar em liberdade, mediante o pagamento de uma caução de três milhões de euros e o fundador do Banco Comercial Português (BCP), Jardim Gonçalves, foi condenado a uma pena de dois anos de prisão por crime de manipulação de mercado, que ficou suspensa mediante o pagamento de 600 mil euros.

Para quando o fim da impunidade de banqueiros em Portugal?

 

[1] http://icelandmag.visir.is/article/26-bankers-already-sentenced-a-combined-74-years-prison.

 

 

Natural de Viseu. Licenciado em Psicologia pela Universidade de Coimbra. Mestre em Economia e Pós graduado em Gestão de Pessoas (pré-Bolonha), Certificado em “Behavioural Coaching”, Mediação de Conflitos e Terapia Sistémica. Membro da Ordem dos Psicólogos Portugueses, Sociedade Portuguesa de Psicoterapias Construtivistas, Associação Portuguesa de Coaching, Associação Portuguesa de Técnicos e Gestores de Recursos Humanos e Federação Nacional de Mediação de Conflitos. Certificado pela Entidade Reguladora da Saúde e acreditado na D.G.P.J. do Ministério da Justiça.

Pub