Política? Tábemtá!

por Gabriel Costa | 2013.11.29 - 00:50

Dizia-me o Paulo Neto: “ Escreves o teu texto para o dia 22? Curto. Político ou cultural. Ou culturalmente político. Foto tua e breve cv de 3 linhas. Vale? Abraço“.

Eu perguntei: “Rua Direita?“. “Yes”. “Feito!”.

Em boa verdade, encravei-me! A foto já a tenho e vai uma daquelas com gravata e 20 anos a menos. O CV de 3 linhas, está pronto: nome, morada e idade.

O resto, bem… o resto vai ser uma gaita!

Escrever é um acto doloroso!”, disse alguém que já passou pela falta de inspiração ou pela ausência de jeito para alinhavar meia dúzia de parágrafos com nexo.

Pois é! E esse é o corno do boi.

De política nada sei e sou feliz na minha ignorância. Já não é a “nobre arte” da “res publica“. Os mais críticos, dizem que deixou de ser uma coisa com interesse. Sem interesse? Pois, há cada vez mais gente a querer entrar. Mentirosos? As promessas de ocasião são isso mesmo, “de ocasião”, mas lá vamos na cantiga. Assuntos sérios e de responsabilidade nas mãos dos políticos? Continuamos a fazê-lo, com os mesmo resultados de sempre. Enriquecimento assaz rápido na política? São ladrões? Cada vez há mais candidatos à prisão. Estão a lixar-nos a vida? Continuamos a votar neles. As Jotas são escolas de aprendizagem da sacanice? Não evitamos que os nossos filhos lá iniciem a vida pública, nos meandros que abjectamos. Defendem os interesses corporativos dos seus financiadores? Pois é, mas andamos com eles ao colo. Pagamos as campanhas eleitorais? Mas vamos contribuindo alegremente (até o estado o faz, subsidiando as despesas). A comunicação social é manipulada por interesses políticos? Continuamos a comprar os jornais que ajudaram e promoveram o logro. Empregos aos amigos, familiares e protegidos? Mas aguardamos na fila a chamada dos nossos. Trabalham mais em tempo de eleições do que durante todo o mandato? Todos aspiramos a um lugarzinho igual. Favorecidos na obtenção do diploma de um curso superior? Incrível, mas todos temos inveja. Imunidade na política, é igual a irresponsabilidade? Todos gostaríamos de ter as costas quentes da mesma forma. Caciques? Mas procuramos a sua proteção. Roubam o pão da nossa boca? Mas têm sondagens que indicam que gostamos deles e não devem abandonar o lugar., etc. e tal. E

sta lamúria leva-me a concluir, caro Paulo Neto, que de política, já não sei nada. E, olha, gostaria de continuar a ser um pobre ignorante nesta matéria.

Para escrever sobre cultura (eu?), já tenho idade para saber que sei muito pouco, do muito que gostaria de saber, e que, sei muito de poucas coisas e pouco de muitas outras.

Mas cá estarei, nesse projecto novo e atractivo que será “A Rua Direita”, não fazendo caso do “Acordo Ortográfico”, porque “burros velhos…”

PS (post scriptum, para não haver confusões):

Como retribuição do convite, dou-te uma dica, sobre o maior dos últimos grandes fotógrafos a B&W: http://www.helmutnewton.com