Operaçao relâmpago? (com leitura recomendada)

por Norberto Pires | 2014.08.05 - 10:47

A PT retirou durante o mês de Julho todos os seus depósitos do BES. No total de 128 milhões de euros.

Porquê? Porque como são acionistas do BES, com mais de 2%, os seus ativos passariam para o Banco Mau e perderiam tudo.

Mas eles já sabiam o que ia acontecer?
Mas a operação de resgate do BES, feita durante o fim de semana, não nos está a ser vendida como relâmpago decidida tendo por base o descalabro dos últimos dias do BES?
Como é que a PT sabia do que ia acontecer 30 dias antes, e porque razão tinha essa informação?
Como explicar o que foi sendo dito sucessivamente ao povo, aos pequenos acionistas, etc., de que o banco estava sólido?
(Carlos Costa afirmava que o banco estava sólido a 25 de Julho)

Operação relâmpago?
Todo este tempo, com a situação a degradar-se, com afirmações de responsáveis políticos, da regulação e da supervisão, a tranquilizar e a garantir que tudo estava bem, apesar das múltiplas indicações de irregularidades graves, serviu, afinal, para esta dúvida que me assalta? Para dar tempo a alguns de “escaparem”?
E os pequenos acionistas? Aqueles que aplicaram poupanças, confiando na informação de reguladores e agentes públicos, e perderam essas poupanças?
Onde fica a confiança, essencial para haver mercado de capitais?

E alguém que me explique, tim-tim por tim-tim como se eu tivesse 6 anos:

1. O Novo Banco precisa de 4.9 mil milhões de euros por alma de quem?

2. Se o que é tóxico, as imparidades, etc., ficou no Banco Mau, porque razão precisa o novo Banco, cheio de ativos bons, de tanto dinheiro?

Sendo dinheiro público, do Estado, isto tem de ser muito bem explicado aos contribuintes.

 

Ver no Diário Económico

Ver nas Notícias ao Minuto

 

Recomendação de leituras suplementares:

BES, o milagre sem rosas, Pedro Santos Guerreiro, Expresso.

Se pedissem ao PCP para tentar destruir o capitalismo, eles não faziam melhor, Pedro Lino, Económico

O Assalto, Filipe Alves, Económico.

Poupanças de Esquerda e de Direita, Tiago Freire, Económico.

BES e o Novo Banco: certezas e riscos, Bagão Félix, Público

Um funeral, dois nascimentos e uma corda bamba, Nicolau Santos, Expresso

O BES morreu, viva o Novo Banco, António Costa, Económico

Espírito Santo Saga Entangles Swiss Company, Patricia Kowsmann e outros, Wall Street Journal

Professor Associado da Universidade de Coimbra foi Presidente do Conselho de Administração do Coimbra Inovação Parque e Membro do Conselho Nacional para a Ciência e Tecnologia. Possui Mestrado em Física Tecnológica e Doutoramento em Robótica e Automação pela Universidade de Coimbra. É o Editor do jornal "Robótica". Autor de cinco livros na área da robótica e automação tendo publicado mais de 150 artigos científicos e tecnológicos.

Pub