O Senhor dos Estaleiros

por António Soares | 2013.12.12 - 22:52

O Senhor dos Estaleiros

Nos cinemas a quinta feira é dia de estreias e para este Natal temos “O Senhor dos Estaleiros”. Uma sequela de filmes há muito vistos que, porque custa a cada Português 2,18€, não dispensa sinopse.

Este épico remete-nos para um país com lapsos de Idade Média, onde uma empresa, Mordor, apesar de ter uma dívida que ascende a 378 milhões de euros, vence um concurso para a subconcessão dos Estaleiros de Undying Lands of Castel.

Sobre esse concurso paira a suspeita de que forças malignas, saídas das mais vastas profundezas do mal, tenham exercido influência a favor dessa empresa.Suspeitas adensadas pela denúncia do Presidente da Câmara de Undying Lands sobre a pouca transparência do concurso, e do alerta de Éowin Gomes para a necessidade de perceber se existem negócios paralelos entre Gandalf-O-Branco e a empresa Mordor. Esta denúncia despertou a ira de O-Branco que, em retaliação, apresentou queixume crime contra E.Gomes.

Para ter o domínio dos Estaleiros de Undying Lands of Castelo, Mordor prometeu pão ao povo: Mil plebeus que afinal são cento e vinte deveriam ter melhores condições de vida.

O que o povo não sabe, mas depressa fica a saber, é que a empresa só adquire os Estaleiros se O-Branco e o Olho Que Governa eliminarem a praga de 600 plebeus que os ocupam actualmente.

A trama deste épico, não fosse a carga dramática, poderia ser candidato a comédia do ano. Um filme que, não valendo os mais de 2€ por Português de bilhete, irá ser visto e revisto até desaparecer sem se perceber o fim, em qualquer meio de imprensa perto de si.