O renascer da Esperança

por João Figueiredo | 2013.12.27 - 23:33

O Natal está aí!

Importante festa do calendário cristão, o Natal é por excelência o tempo da partilha, do convívio e da solidariedade.

Se atentarmos ao que se passou há dois mil anos temos de reconhecer  as circunstâncias à volta do nascimento de Jesus não foram nada fáceis.

Naquele tempo Israel estava sob o dominio de Roma e o Imperador César Augusto, que representava o poder político, decretou a necessidade da população se recensear na localidade de onde era natural. Maria e José foram por isso obrigados a deslocar-se a Belém, cidade de onde José era natural, mas não consta que os seus familiares tenham aberto a porta ou se tenham preocupado com a sua condição de grávida no final do tempo.

Também nenhum dos habitantes da cidade de David se solidarizou com essa situação e todos sabemos que Jesus acabou por nascer num curral, rodeado pelos animais do estábulo.

Quanta, mágoa, angústia e sentimento de desprezo não terão vivenciado aqueles pais num momento tão importante das suas vidas: o nascimento do seu primogénito filho!

Mas se tal situação não fosse por si só triste e dolorosa, os pais e o menino Jesus tiveram de partir para exílio no Egipto para fugir à loucura do Rei Herodes que mandou matar as crianças nascidas na cidade de Belém com menos de dois anos.

Sabemos que todo esse sofrimento valeu a pena. Maria e José nunca se deixaram abater ou  mesmo desanimar tendo criado com infindável amor e carinho aquele que veio a revelar-se o salvador do mundo.

Esta atitude de persistência e capacidade de sofrimneto deve ser imitada por cada um de nós perante situações de abandono, de injustiça e de solidão, devendo, cada um de nós, acreditar num amanhã melhor.

O tempo do Natal tem de ser necessariamente um tempo de Esperança.

Só assim a vinda do Menino Jesus faz sentido!

Desejo a todos os leitores Festas Felizes, acompanhadas de paz e saúde!