O QUE É BOM PARA O CORAÇÃO É BOM PARA O CÉREBRO

por José Carreira | 2019.05.22 - 09:29

A demência é um problema de saúde pública crescente que afeta cerca de 50 milhões de pessoas em todo o mundo. A cada ano que passa surgem 10 milhões de novos casos, prevendo-se que o número de pessoas afetadas triplique até 2050.

A demência é uma das principais causas de incapacidade e dependência nas pessoas mais velhas e pode ser devastadora para a vida das pessoas afetadas, dos seus cuidadores e famílias.   

Infelizmente, apesar dos esforços desenvolvidos pelos investigadores, não há nenhum tratamento curativo para a demência. Podemos, isso sim, cuidar bem das pessoas com demência e gerir proactivamente os fatores de risco modificáveis.

Em Maio de 2017, na Assembleia Mundial da Saúde, foi apresentado o Plano de Ação Global para as Demências 2017- 2025. Este plano global foi construído com base nos pareceres de instituições e associações de todo o mundo e inclui 7 grandes áreas de atuação: 1 – Demência como uma prioridade de Saúde Pública; 2 – Consciencialização para a Demência e criação de sociedades amigas das pessoas com demência; 3 – Redução de Risco de Demência; 4 – Diagnóstico, Tratamento e Apoio nas Demências; -5 – Apoio aos cuidadores de Pessoas com Demência; 6 – Disponibilização de informação sobre Demências; 7 – Investigação e Inovação nas Demências.

A redução do risco de demência, uma das sete esferas de atuação, do Plano de Ação Mundial é uma da prioridades da Organização Mundial da Saúde (OMS):

“Temos que fazer tudo o que for possível para reduzir o risco de as pessoas sofrerem de demência. A informação científica obtida confirma as nossas suspeitas de longa data: o que é bom para o coração é bom para o cérebro.” (Tedros Adhanom Ghebreyesus, Diretor Geral da OMS)

A OMS, tendo como base uma revisão sistemática das evidências existentes, publicou diretrizes – RISK REDUCTION OF COGNITIVE DECLINE AND DEMENTIA – que visam ajudar a prevenir a demência e a guiar os governos na elaboração de políticas e programas que contribuam para fomentar estilos de vida saudáveis.

Passo a elencar as principais recomendações: praticar exercício físico regularmente; não fumar; reduzir ou abandonar o consumo de álcool; exercitar-se cognitivamente; controlar o sobrepeso; socializar; fomentar a dieta mediterrânica; controlar a hipertensão, a diabetes, a depressão.

Se em 2015 se estimou que o custo social da demência, no mundo, era de 818 mil milhões de dólares – 1,1% do Produto Interno Bruto Mundial – compreender-se-á a urgência da implementação de medidas concretas que apoiem as pessoas com demência, os seus cuidadores e famílias.

O estatuto do cuidador – prometido pela senhora Ministra da Saúde há 120 dias[1] – é fundamental porque como refere Dévora Kestel – Diretora do Departamento de Saúde Mental e Abusos de Substâncias da OMS – “Muito comummente, os cuidadores, das pessoas com demência são familiares que precisam de fazer alterações importantes na sua vida privada e laboral para poderem cuidar dos seres queridos.”

Para dar apoio aos cuidadores, a OMS criou uma ferramenta de enorme utilidade – iSupport[2] – um programa de formação online para cuidadores de pessoas com demência com: conselhos sobre a gestão dos cuidados; a forma de atuar perante alterações do comportamento e a importância do autocuidado. 

 

José Carreira


[1] https://envelhecer.pt/

[2] https://www.isupportfordementia.org/en