O poder corrompe?

por Alexandra Azambuja | 2014.11.21 - 17:54

 

Parece que sim.

Faço o exercício de pensar no que estará na génese dos abusos de poder.

A Natureza humana? Uma infância de frustradas ambições, vendo os outros ter o brinquedo e o lugar ao sol?

Políticos e outros detentores das cadeiras de poder parecem embriagar-se quando sentem que podem.

Podem enganar, domesticar leis a seu favor, finalmente cumprir sonhos de vidinhas apagadas e sem brilho, ordenar à porta do seu automóvel que se torne, por passe de mágica, pesada, com o som abafado que só as portas dos carros muito muito caros têm, sobretudo se for aberta por motorista.

Podem finalmente ver o olhar de inveja dos outros, ser solicitados para isto e para aquilo. O favorzinho, a presença, a cunhazinha. E – oh céus! – como é embriagante a sensação de poder decidir a vida dos outros. Vê-los rondarem-nos, satisfazerem-nos caprichos, dizerem que sim com as cabecinhas em baloiço afirmativo, corroborando a certeza de sermos não só poderosos, como eternamente poderosos…

De repente existe-se.

E esta teoria dos desgraçados de pé descalço que finalmente têm poder servia-me tão bem para explicar a miséria que vejo na política portuguesa, quando o tio Ricardo, o malandro, vem estragar tudo.

Mais de 100 anos nas elites onde a Cultura, a Elegância, os Bons Modos e o afastamento das sórdidas fraquezas dos que nascem pobres e chafurdam na miséria até conseguirem furar na lambebotice partidária, no furo oportunista, na sorte de estar no lugar certo à hora certa, deviam garantir que a ganância estaria afastada.

Mas não.

Não há volta a dar.

Estamos cercados por todo o lado e pouco podemos. Não fora o que resta da chamada Comunicação Social – jangadas à deriva no mar cheio de tubarões neoliberais – e nem dávamos conta de episódios como o das subvenções vitalícias…

Só me ocorrem anseios de milícias cidadãs, grupos de pessoas que em vez de mira telescópica – que é capaz de dar cadeia – se ocupem nos próximos tempos de vigiar tudo e todos, todos a quem entregámos, nos últimos 40 anos, poder.