O Laranjal

por Alexandre Borges | 2016.11.10 - 21:26

 

 

Trump ganhou e rebentaram as redes sociais indignadas. Passaram dois dias e a indignação, combustível dos gostos e comentários, volta a ser comandada pelos Pedros Guerras desta vida. Como no caso da criança refugiada que deu à costa, morta, numa praia síria, os mesmos que se indignam com a morte rapidamente se transfiguram e se aproximam daquilo que veementemente criticavam. Refugiados sim, mas não no meu “quintal”. Em Portugal, a telenovela do Pedro Dias, em estreia na RTP3, acelerou o processo. Tudo normal no país que só ao fim de cinco eleições é que descobriu que Cavaco era um tipo indecente e muito mal rodeado.

O “outsider”, o maníaco com discurso protofascista e instigador do ódio lá ganhou as eleições. Capitalizou do afastamento cada vez maior dos eleitos que não representam os seus eleitores. Ganhou a quem não tinha como fugir ao epíteto de “insider”. Ao menos o politicamente correcto parece ter os dias contados. Pode ser que a hipocrisia diminua.

Há quem diga que esta vitória até se deve, em parte, a essas mesmas redes sociais e ao famoso algoritmo do Facebook que exclui do nosso “feed” coisas de que não “gostamos” privando-nos de uma perspectiva mais alargada do mundo, com contraditórios, em detrimento de “histórias” potencialmente mais agradáveis, baseadas no nosso histórico, correspondam elas ou não a alguma verdade.

Hillary Clinton (47,7%) teve mais votos que Donald Trump (47,5%), quase 300 mil votos, e eu ainda não vi nenhum dos inúmeros comentadores e políticos que ficaram indignadíssimos com o governo constitucional de António Costa, que fizeram até acusações de golpe de Estado e antidemocracia, a opinar sobre esta situação semelhante. Seria igualmente ridículo de ouvir mas ao menos seria coerente. Devo estar distraído ou é algum efeito secundário. Só se indignam quando não é com “laranjas”. Curiosamente São Bento chumbou (por quatro vezes) um governo que não tinha o número suficiente de “superdelegados” (podemos chamar-lhe assim em vez de deputados?), pese embora tenha tido mais votos, há exactamente um ano atrás.

Natural de Canas de Senhorim. Licenciado em geologia pela UC. Virulentamente bombeiro. Gosta de discussões cordiais, de vaguear pelo mundo munido de auscultadores.

Pub