O Grupo Lena e a “Operação Marquês”

por PN | 2017.03.09 - 14:31

 

 

O grupo Lena é um dos mais poderosos grupos da região centro, com áreas que vão desde o ambiente e energia, aos automóveis, comunicação, construção, imobiliária, indústria e serviços, turismo, etc.

Joaquim Paulo da Conceição, presidente executivo do grupo, foi agora constituído arguido no âmbito da “Operação Marquês”. A própria holding Lena SGPS é também arguida neste processo, segundo a Procuradoria Geral da República.

Joaquim Barroca, fundador do grupo Lena, a Lena Engenharia e Construções SGPS e a Lena Engenharia e Construções SA já tinham sido constituídas arguidas neste mesmo processo.

As outras empresas do grupo estão fora do âmbito desta investigação, nomeadamente o Grupo Lena Comunicação, a sub-holding para o sector da comunicação, cuja actividade se desenrola a nível nacional e é atualmente constituída por dois jornais regionais e uma rádio regional, tendo sido ainda proprietária de um seminário viseense, do qual ainda é sócio Francisco Rebelo, responsável por aquela sub-holding.

Entretanto, ao que se sabe e ainda no âmbito da “Operação Marquês”, será no decurso de Março que ocorrerá o prazo final para a entrega da acusação do Ministério Público, exactamente dentro de 8 dias, a 17 deste mês.

Já é longa a lista de arguidos, completada agora com Henrique Granadeiro e Zeinal Bava, ex-administradores da PT, que se juntam a Paulo Lalanda e Castro, ex-administrador da Octapharma e Armando Vara, ex-ministro adjunto do Primeiro-Ministro e ministro da Juventude e Desporto, tendo sido ainda vice-presidente da CGD.

 

(foto DR)