O Carnaval é africano.

por Romira Jamba | 2014.03.03 - 18:31

Em Angola o Carnaval é muito antigo. Lembro-me dele após a independência. O de Benguela é muito famoso. Tem muitos foliões, muita dança – que nos está no corpo – e muito canto que nos sai da alma.

Existe uma grande pluralidade de grupos com etnolinguísticas específicas das diversas partes deste território tão vasto. Além do de Benguela que é minha terra, meu berço, o Carnaval de Cabinda, Luanda, Namibe são muito populares.

As coreografias são muito distintas e com estilos de dança muito próprios como, por exemplo o Kazukuta, o Kabetula e o Semba.

Costumam ser muitos os grupos a apresentar-se, com muito público a assistir, muita música e alegria. O calor tropical e a garridice dos trajos concedem à espontaneidade inata uma “febre” que se intensifica por horas de muita animação.

O Carnaval brasileiro tem muito de África passada de século em século, de geração em geração, desde os distantes meados do século XVII.

Curiosamente, aqui em Portugal, há uma maior sisudez do povo (independentemente dos tempos que não vão para alegrias) e o Carnaval, com exceção de Ovar, Mealhada e por algumas localidades algarvias perde com isso no seu bulício folião.

Talvez o clima seja importante neste particular. O frio e a chuva não são convidativos para as festas de exterior.

Mas em verdade, o tempo não está para festas de nenhum tipo…

Façam como eu, recordem.