Nunca vivi a Revolução!

por Paula Branco | 2016.04.22 - 08:18

 

 

Nunca vivi a Revolução!

Não, que a essa altura

ainda era a pequena bruma

a espreitar o sol

de uma manhã por vir…

 

Nunca vivi a Revolução!

Mas herdei dela o lado mais poético

das façanhas  que me foram narradas

por um contador de histórias

que nada sabia de Literatura

e tão pouco como narrar um conto!…

Porém, trazia com ele o humor da História

e a subtileza dessa antítese da guerra,

comentada entre metáforas e ironias que,

por um lado, pintavam uma realidade inócua,

por outro, explicavam essa urgência da palavra inacabada:

LIBERDADE!

 

Nunca vivi a revolução!

Mas foi como se a vivera,

porque herdei dela o lado mais poético

que hoje narro, como o meu contador de histórias,

a gerações vindouras

para que não se perca a antítese da vida

e a metáfora desse Cravo anunciado!

 

Nunca vivi a revolução!

Mas trago-a dentro de mim

com a mesma subtileza dessa herança

que um dia se vestiu de poesia

e saiu à rua feita Canção-Mulher

de uma voz herdada

e para que não fosse castrada!