Morte lenta

por Eme João | 2014.03.25 - 13:28

“Impressiona-me ouvir algumas pessoas dizerem “ não há nada a fazer, temos de aguentar.” Outros afirmam que não votam porque não vale a pena. É assustador ver a estagnação em que estas pessoas mergulham. Já não lhe chamo acomodação é antes uma morte lenta. Arrepia-me quando o último suspiro que ainda lançam serve apenas para gozarem com quem luta. Como podem estas pessoas abandonarem-se assim delas mesmas? Quando alguém lhes tenta explicar a importância do voto, a importância das próximas eleições europeias, ficam simplesmente a olhar para nós como se estivéssemos a falar numa qualquer língua estrangeira. Depois vem aquela terrível frase, do votar para quê são todos iguais. Isto é do pior. Para além de tudo, estão completamente cegas. Pensam que só se pode votar nos partidos do arco da (des)governação. Para além disto, para eles não há mais nada. Por isso abstêm-se. É a posição mais cómoda para eles. Mostram assim a falta de respeito que têm por eles, pelos que lutaram pelo direito ao voto e por todos os que continuam a lutar para que não se percam os direitos adquiridos. Assim, abstêm-se dos seus direitos e dos seus deveres enquanto se arrastam lentamente para o abismo.”

Nasceu em Lisboa em 31/10/1966. Estudou psicologia no Ispa. Trabalha actualmente no ISS.

Pub