MILHÕES E MAIS MILHÕES

por Acácio Pinto | 2015.12.30 - 12:31

 

 

Da banca aos novos donos da bola: Quem vai pagar? Os mesmos de sempre!

O fogo-de-artifício dos milhões continua a ser lançado aos quatro ventos, todos os dias. Aliás, nunca os portugueses esbarraram em tantos milhões como nestes últimos anos, nestes últimos tempos.

São os milhões do BANIF, os milhões da Nós, os milhões da Meo. Foram os milhões do BPN, os milhões do BES e os milhões dos submarinos.

Bem sei que não são contas do mesmo rosário. Bancos não são a mesma coisa que telecomunicações, que futebol e que a defesa do país. Porém, isto tem sido tudo uma guerra sem quartel. Aquilo que temos aí são acertos de contas entre organizações, muitas sem rosto, cujo modus operandi é a multiplicação dos pães com farinha e fermento adulterados e cujo desiderato tem sido sempre o assalto às magras carteiras dos portugueses.

Bem sei que estas são palavras duras. Palavras cruas. Mas será que qualquer português pode ter palavras que não sejam ácidas perante a exaustão a que têm sido sujeitos pelos “donos disto tudo”?

Creio que ninguém se esqueceu ainda (será que é possível esquecer!?) dos “miríficos” e especulativos negócios de arte e de empresas tecnológicas negociadas por milhões e que afinal valiam tostões; das centenas de milhões de euros “emprestados” aos “rios frios” e que se descobriu que deterioraram a memória dos melhores gestores do mundo; dos milhares de milhões africanizados e agora sem rasto, e pelos vistos (gold ou silver), sem rosto; das “difíceis” álgebras para dividir as submarinas comissões por “competentíssimas” administrações.

Enfim, o rol, infelizmente, não tem um fim próximo. Concluiríamos o artigo a inventariar aspetos de negócios ruinosos que se passaram à frente dos nossos olhos, efetuados por empresas ditas sólidas e credíveis e que hoje estamos todos a pagar.

Os mais recentes casos, que a todos nos deixam sem fôlego, são esses negócios milionários das operadoras de telecomunicações com os clubes de futebol. Foi mais uma espiral de loucura que ninguém percebe verdadeiramente. Como é que, num passe de mágica e à velocidade da luz, as operadoras fazem gáudio de nos apresentarem negócios nestes montantes com o Benfica, o Porto e o Sporting.

A desconfiança está instalada ante o silêncio generalizado de todos sobre o cerne da questão. Ninguém quer explicar nada. A única discussão que verdadeiramente interessa é a de que o meu contrato é melhor e maior do que o teu. Nada mais.

De onde virão os milhões e quem os irá pagar, isso não importa à obnubilada afición, isso é conversa dos velhos do restelo.

Mas, afinal, de onde virá o dinheiro e quem irá pagar? Não é difícil, virá dos subscritores dos conteúdos, virá dos portugueses que mensalmente verão as suas faturas aumentadas. Ou então andam-nos a meter a mão na carteira há demasiados anos!

Deputado do Partido Socialista (PS) na XII Legislatura eleito pelo Círculo Eleitoral de Viseu

Pub