Má sina esta de termos Nuno Crato como Ministro da Educação!

por Acácio Pinto | 2014.10.06 - 17:34

 

 

Já não se conseguem encontrar os termos adequados para qualificar o atual momento que se vive na educação em Portugal.

Confusão, trapalhada, caos e balbúrdia são algumas das palavras que enxameiam as notícias sobre o início do atual ano letivo e não sei se alguma delas traduz, verdadeiramente, o que se passa nas escolas portuguesas.

As associações de pais, os diretores de escolas, os sindicatos e os professores estão em pânico face ao que lhes está a acontecer sem que nada se mova no governo apesar de algumas vozes da maioria começarem a pedir a cabeça, por exemplo, do secretário de estado da administração educativa, João Casanova Almeida, pelo facto de não vir a terreiro dar explicações. Só que, como eles sabem, a primeira responsabilidade não é do secretário de estado (nem do demitido diretor geral) é do ministro Nuno Crato que há muito tempo está a mais na educação.

Mas apesar da dura realidade com que as escolas portuguesas estão confrontadas, tudo acontece na rua 5 de outubro com a maior das normalidades, mesmo depois de o ministro Nuno Crato ter feito aquele papel, afinal de mera hipocrisia, de pedido de desculpa na Assembleia da República.

Disse então que tudo iria ser corrigido e que nenhum docente sairia prejudicado com os erros da fórmula associados a este concurso.

O que é facto é que os erros continuam e o prejuízo para os docentes é incalculável. Há docentes que tiveram que encontrar uma nova residência e uma nova escola para os filhos face à colocação e agora são obrigados a ir para uma nova escola, onde o processo volta ao início.

Má sina esta de se ser professor ante tão inqualificados decisores políticos!

Má sina esta de no nosso país estarmos em outubro [estou a escrever a 6 de outubro], um mês depois do início do ano escolar e ainda termos milhares e milhares de alunos sem professores ou, agora, com professores a deixarem os seus alunos e a irem ao encontro de outros!

Má sina esta de termos escolas a suspenderem as aulas, ou a funcionarem dia sim, dia não, por falta de recursos humanos, docentes e não docentes, que assegurem as condições mínimas de funcionamento da escola!

Má sina esta de termos um Primeiro-Ministro, Passos Coelho, que faz que não vê e um Presidente da República, Cavaco Silva, que olha mas nada vê de mal na educação, ou seja, no futuro de Portugal!

Merecíamos outra sorte!

Deputado do Partido Socialista (PS) na XII Legislatura eleito pelo Círculo Eleitoral de Viseu

Pub