Já mete nojo, o folhetim da CGD…

por PN | 2017.02.16 - 21:05

 

 

Este António Domingues começou por ser a má peça do “lego”, não se sabe por quem escolhida. Arrogante, crendo-se acima da lei, da trupe desses banqueiros de 2ª linha que o país tanto aprecia, fez da sua apresentação da declaração de património um cavalo de Tróia para animar a malta, principalmente os ex-PàFs, tão carenciados de agenda político-mediática.

Depois veio o “cândido” Centeno, um bom ministro das Finanças mas um péssimo comunicador e sem a lábia de um Passos Coelho, de um Paulo Portas, de um MAC, de um Sócrates, de um Relvas, de um Macedo…

Como se não tivesse já os condimentos q.b., juntou-se-lhe a crónica inabilidade da estrutura política de topo do PS, de onde refluem muitos dos embaraços criados a quem quer governar.

Quantos mais serão precisos para os levar a meditar na origem crónica do erro?

O PSD e o CDS, por seu turno, na sua abastada mediocridade, doem-se muito com a suficiência de quem melhor do que eles faz. Não é verdade que o que mais custa a um incapaz é ver alguém capaz?

Tudo isto é um fogo-faralho, um fait-divers que a actual dorida oposição estentoricamente estraleja no ar, por ausência total de uma ideia de mérito a que se agarrar. Não souberam fazer, não foram capazes de fazer, mas conseguem gerar um ódio violento a quem faz.

O ingénuo Centeno é a vítima directa, a carniça tenra nas fauces alarves…

Quanto à CGD, prenhe de impunes, sucessivos e maus administradores, com outros bancos portugueses, dá o mote ao comissário europeu Pierre Moscovici que realça os “progressos muito fortes da economia portuguesa” e lembra que a Comissão Europeia deverá “decidir dentro de alguns meses a saída de Portugal do Procedimento por Défice Excessivo“.

E acrescenta: “Estamos a trabalhar de uma forma muito próxima, construtiva e positiva com as autoridades portuguesas, e quando olho para o desempenho global de Portugal vejo obviamente progressos muito fortes”, deixando porém o alerta para o “mau comportamento da banca portuguesa“… que parece ser a violenta e insaciável matriz súcuba geradora de todas as calamidades.

(foto DR)