Homenagem a Alberto de Sá Marques de Figueiredo

por Manuel Sá Marques | 2013.11.28 - 17:38

Alberto de Sá Marques de Figueiredo – Governador Civil de Viseu de 21 de Março a 30 de Dezembro de 1914, durante os dois governos de Bernardino Machado

Durante os governos de Bernardino Machado, que se prolongaram de Fevereiro a Dezembro de 1914, fez-se uma larga amnistia para os presos políticos e houve uma tendência para a concórdia, nas relações entre o Estado e a Igreja. Como referia Guerra Junqueiro, sentiu-se a “bernardinização” da lei de separação da Igreja do Estado.

Bernardino Machado escolheu, para governadores civis, muitos dos seus antigos discípulos da Universidade. Para o distrito de Viseu nomeou meu pai, certamente pelos laços afectivos e por saber que era republicano católico e natural daquele distrito.

Foi durante esse período, que em 31 de Maio, no encerramento das “Grandiosas Festas de Viseu”, expressão que servia de título à reportagem, efectuada pelo jornal católico “Correio da Beira”, das festas religiosas e literárias promovidas pelo Circulo de Estudos, que se realizou a sessão do Circulo Católico, com a presidência constituída por três bispos, D. António Barroso, bispo do Porto, pouco tempo antes amnistiado, D. António Alves Ferreira, bispo de Viseu e o bispo de Sienne. Foi nessa sessão que o quintanista do curso de Direito da Universidade de Coimbra, António de Oliveira Salazar fez o célebre discurso, intitulado “A Democracia e a Igreja”.

Mais tarde, já em 1919, a propósito do processo de sindicância à Universidade de Coimbra, Salazar lembra essa sessão, no opúsculo editado com o título “A minha resposta”, referindo a presença do Governador Civil.

Em todos os escritos feitos pelos panegiristas de Salazar nunca vi referência a este folheto, nem a citações ai referidas. O que é, aliás, compreensível…

Médico nonagenário, cibernauta de “chata a remos”, com dois blogues – “Bernardino Machado” (manuel-bernardinomachado.blogspot.com) e ” Recordações” (manuelsamarques.blogspot.com)

Pub